Reportagens

Meio Ambiente e cinema

Começa em Goiás a 12ª edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA). Cursos específicos sobre meio ambiente ajudam a qualificar a audiência.

Cristiane Prizibisczki ·
10 de junho de 2010 · 11 anos atrás
Curso sobre alipcações e perspectivas do Google Earth na Análise Ambiental, um dos mais procurados. Crédito - Divulgação/FICA
Curso sobre alipcações e perspectivas do Google Earth na Análise Ambiental, um dos mais procurados. Crédito – Divulgação/FICA

O  FICA, Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental,  já está em sua 12º edição e desde a última terça-feira (8) reúne centenas de pessoas na Cidade de Goiás, município de cerca de 30 mil habitantes que fica a 136 quilômetros de Goiânia.

Na mostra competitiva deste ano concorrem 28 trabalhos, entre longas, médias e curtas-metragem, séries de TV e vídeos. Além da exibição de filmes, desde 2007 o festival realiza atividades focadas diretamente na preservação, como o Fórum ambiental, que este ano tem o tema “Mudanças ambientais globais: tendências, cenários e impactos”. Este também é o segundo ano que cursos específicos sobre meio ambiente são realizados, em paralelo aos cursos de cinema.

Desde ontem (8) e até a sexta-feira, cerca de 120 pessoas estão tendo aulas sobre variados temas , como legislação ambiental, planejamento urbano, manejo sustentável de espécies nativas do cerrado e até um sobre as aplicações e perspectivas do Google Earth na Análise Ambiental. A carga horária total dos cursos é de nove horas.

 “Não faz sentido um festival ambiental que não tem cursos sobre meio ambiente. Queremos qualificar e também instrumentalizar a audiência, para que possam absorver melhor os temas tratados nos filmes”, disse Laerte Guimarães Ferreira Junior, professor da Universidade Federal de Goiás e consultor ambiental do evento.

Esta talvez seja uma forma de tirar um ranço negativo que acompanhou o festival em anos anteriores, de que o evento ainda não havia encontrado sua identidade: em que grau deveria se dar a intersecção entre cinema e meio ambiente? As discussões realmente conseguem sair da esfera do cinema e tratar com qualidade da temática ambiental?

Estas são as perguntas que Ferreira Junior pretende responder, ao investir nos cursos específicos. “Queremos nos consolidar também na área ambiental. Nossa ambição é criar um espaço de interlocução entre os diferentes atores, de troca de idéias e proposições”, disse.

Dicas do dia

Entre os filmes apresentados na quarta-feira esteve a animação “She Who measures”, do croata Veljko Popovic, que trata do consumo desenfreado e da alienação das pessoas diante das “maravilhas” do mundo moderno. Abaixo é possível conferir a animação na íntegra.

Outra dica é o filme Heavy Metal (Hu Xiao de Jin Shu), do chinês Huaging Jin. O média-metragem mostra o problema do lixo eletrônico nos vilarejos do centro-oeste da China. Há 20 anos, materiais do Japão, Estados Unidos e Austrália são enviados para a China, que não consegue executar a reciclagem sem causar um enorme dano ambiental e chagas sociais. O filme é o terceiro do trailler abaixo. Além dele, também é possível conferir trechos da série televisiva americana “Trazendo vida ao espaço” e dos brasileiros “Efeito Reciclagem” e “O último Kuarup Branco”.


– Leia cobertura completa do XII Festival Internacional de Cinema e Video Ambiental

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Reportagens
25 de novembro de 2021

Morcegos são a salvação da lavoura (de milho) no Distrito Federal

Os mamíferos alados poupam o bolso de produtores ao devorarem lagartas e outros insetos que atacam os cultivos. Animais ainda são vistos com temor, agredidos e mortos na cidade e no campo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta