Reportagens

Como Marina Silva abriu espaços

Veja aqui três motivos pelos quais a candidata do Partido Verde mudou os rumos das eleições de 2010.

Eduardo Pegurier ·
4 de outubro de 2010 · 11 anos atrás

Por Eduardo Pegurier

crédito foto:  http://www.flickr.com/photos/28586275@N02/3371330730/
crédito foto: http://www.flickr.com/photos/[email protected]/3371330730/

1 – Pelo desempenho. Ao alcançar quase 1/5 dos votos e ganhar em Brasília, conquistou o direito de influenciar os rumos do próximo governo; temperando uma eleição que tinha tudo para ser, do início ao fim, reduzida a uma escolha binária. Com menos recursos e apenas um minuto e dezessete segundos de TV, promoveu um novo começo.

2 – Na campanha, a plataforma verde de Marina corria o risco de ser vista como exótica e difusa, mas foi a que mais se esmerou em apresentar diretrizes de um programa de governo. Ela foi enfática ao lembrar que o Estado é laico e não se mistura com posições religiosas pessoais. Não criou uma retórica dúbia ao se afastar das velhas divisões entre esquerda e direita, capitalismo e socialismo, e juntar cabeças econômicas como as de José Eli da Veiga, Ricardo Paes de Barros e Eduardo Giannetti.

3 – É melhor que Lula como mito de perseverança e mobilidade social. Através de sua vida, mostrou que é possível superar uma juventude de pobreza, doenças e analfabetismo até os 15 anos de idade, alcançar um diploma universitário e se tornar uma mulher cultivada e bem-sucedida. Por divergência de princípios, rompeu com o PT, seu partido por 30 anos. Esse movimento manteve sua integridade, até agora inquestionada, e lhe permitiu reerguer nessa campanha a bandeira da ética na política.

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta