Salada Verde

Crítica às estradas sem licenças

Salada Verde ·
15 de abril de 2009 · 14 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Quase 30 organizações não-governamentais divulgaram hoje um manifesto com duras críticas à aprovação da MP452 pela Câmara, que libera de licenciamento prévio reformas e pavimentação de estradas na Amazônia. O Eco havia informado sobre essa possibilidade no dia 8. As entidades atacam a medida, que ainda deve ser aprovada pelo Senado, afirmando que a mesma pretende burlar a Constituição e que os maiores impactos se dão após o asfaltamento. “A pavimentação de estradas é o maior vetor de desmatamentos na Amazônia.  Historicamente 75% dos desmatamentos da região ocorreram ao longo das rodovias pavimentadas, como ocorreu na Belém-Brasília (BR 010), na Cuiabá-Porto Velho (BR 364) e no trecho matogrossense da Cuiabá-Santarém (BR 163)”, informa a nota. Também sobra para a BR-319, nos planos asfálticos governistas. “O asfaltamento da BR 319 servirá apenas para abrir a região mais remota e preservada da Amazônia à ocupação desordenada, além de deteriorar, via forte pressão migratória, a qualidade de vida da cidade de Manaus”, diz o texto. O autor da malfadada proposta é o deputado federal José Guimarães (PT/CE), irmão de José Genoíno (PT/SP). Confira a nota aqui. O governo deve fazer ouvidos moucos ao protesto, como de costume frente a questões ambientais.

Leia também

Reportagens
27 de janeiro de 2023

Apib representa criminalmente ex-presidente Jair Bolsonaro por omissão na proteção do território Yanomami

Além do ex-mandatário, o ex-presidente da Funai, Marcelo Xavier e a ex-ministra e atual senadora Damares Alves são citados. A ação destaca possível incentivo para invasões da área protegida

Notícias
27 de janeiro de 2023

Mauro Mendes quer “desfederalização” do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

É a primeira vez que um parque federal seria transformado em estadual no País, aponta Rede Pró-Unidades de Conservação. Alteração pode diminuir poder de acionar mecanismos de proteção

Notícias
27 de janeiro de 2023

Justiça federal e estadual avaliam três ações civis públicas contra Complexo Termelétrico em Macaé

Desabastecimento hídrico e poluição atmosférica estão entre as irregularidades apontadas pelo Instituto Arayara, que reivindica estudos fundamentais negligenciados no licenciamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta