Salada Verde

Ventania hispânica

Espanha bate recordes com geração eólica e planeja ampliar uso dessa matriz. Por aqui seguimos no velho modelo.

Salada Verde ·
16 de novembro de 2009 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Torres eólicas na província de Andaluzía. Foto: Aldem Bourscheit
Torres eólicas na província de Andaluzía. Foto: Aldem Bourscheit
A Espanha tem o tamanho da Bahia. Mesmo com território tão “pequeno” se comparado ao do Brasil, descobriu que vento é rica fonte de energia. Recorde batido este mês, com ainda mais vento soprando na Península Ibérica, fez com que 53% da eletricidade consumida pelos espanhóis fosse gerada pela força das ventanias. Em alguns pontos do país, houve até excedente energético. Assim, foram poupados os reservatórios de água de usinas hidrelétricas.

Em reportagem do britânico The Guardian, José Donoso, chefe da Wind Energy Association, lembrou que há cinco anos críticos afirmaram que a Espanha não poderia contar com mais de 14% do seu abastecimento a partir do vento. O governo de lá já planeja ampliar o uso dessa matriz, passando de 14 Gigawatts para 40 Gigawatts, até 2020.

Intocado por preocupações reais com o aquecimento global, o Brasil segue produzindo energia no estilo “Belo Monte” – com destruição de florestas tropicais, expulsão de populações e carga pesada em emissões de gases-estufa.

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta