Salada Verde

A dragagem e as ilhas Cagarras

Descarte de resíduos da Baía de Guanabara perto das ilhas Cagarras pode ameaçar unidade de conservação.

Redação ((o))eco ·
18 de outubro de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Zona Sul do Rio de Janeiro e arquipélago das Cagarras (foto: André Ribeiro - Creative Commons)
Zona Sul do Rio de Janeiro e arquipélago das Cagarras (foto: André Ribeiro – Creative Commons)

O que era pra ser um encontro para formalizar o Conselho Gestor do Monumento Natural das Ilhas Cagarras (RJ) tornou-se uma atuação antecipada deste conselho. Em pauta, a dragagem de sedimentos no entorno da Baía de Guanabara. Mas a principal preocupação dos membros da sociedade civil e de instituições de pesquisa e pesca é o local de descarte destes resíduos que estão sendo levados até o Monumento Natural.

A mobilização sobre o assunto começou na internet num grupo de discussão do qual fazem parte os futuros conselheiros e continuou na manhã desta quinta-feira, 14 de outubro, no Clube Marimbás, em Copacabana. Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) estiveram no local e junto com a Coppe, da UFRJ, e a equipe de apoio a fiscalização da Secretária dos Portos, explicaram que o processo de dragagem está sendo feito com monitoramento via satélite e sem prejudicar o ambiente do local de descarte. “O comportamento do ambiente antes da dragagem é o mesmo desde o início. Em nossos relatórios constatamos que não houve mudança na qualidade da água, na qualidade dos sedimentos e nas condições gerais”, afirma Cristina Randazzo, Engenheira Civil Ambiental da Coppe/UFRJ.

Mergulhador há mais de trinta anos, Luiz Augusto de Araujo conhece a realidade das Ilhas Cagarras e junto com outros participantes discorda do local escolhido para a dispersão dos sedimentos. “O descarte está sendo feito corretamente, com o monitoramento adequado, mas o ponto escolhido para esta atividade é ruim porque está em paralelo ao Monumento Natural. Ou seja, se bate um vento leste esses sedimentos facilmente vão chegar às ilhas. O posicionamento ideal seria o descarte por fora da Ilha Rasa”, aponta ele.

A preocupação com a conservação do monumento natural adiou a oficialização do Conselho Gestor, mas segundo Sylvia Chada, do Instituto Nacional Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), o encontro já demonstra a disposição dos conselheiros para o trabalho. “Nós só poderíamos tratar de assuntos como este depois que o conselho estivesse formado, mas de uma certa forma já estamos fazendo a gestão da área. E é importante que esta iniciativa venha dos atores envolvidos com a unidade de conservação, afinal o ICMBio só coordena esses encontros, quem vai cuidar mesmo do local é essa sociedade civil organizada”, comemora ela.

Ao final do encontro um grupo de trabalho, com membros do futuro conselho, foi constituído para apresentar soluções para o descarte de sedimentos junto ao Inea, que por sua vez colocou-se à disposição para encontrar uma melhor solução para o Monumento Natural. (Thiago Camara)

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta