Salada Verde

Obstáculos para usina de cogeração de energia

Prefeitura de Cabo, cidade vizinha à Recife, barra projeto que gerará energia com a queima de resíduos sólidos. Empreendedores buscam novo local. 

Redação ((o))eco ·
16 de dezembro de 2010 · 14 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Modelo da planta de co-geração com resíduos sólidos (foto: divulgação)
Modelo da planta de co-geração com resíduos sólidos (foto: divulgação)

Recife – Um projeto polêmico para o tratamento do lixo produzido no Recife ganhou novo revés. A ideia dos executivos do consórcio Recife Energia é criar uma usina de cogeração de energia e de vapor a partir do uso dos resíduos sólidos como combustível. Nem bem saiu do papel ou recebeu a chancela da agência de meio ambiente de Pernambuco, o empreendimento se tornou alvo de defensores de uma reserva de Mata Atlântica, entrou na mira do Ministério Público estadual e, por fim, ganhou um veto da Prefeitura do Cabo – que tornou pública sua decisão de não conceder licença para o funcionamento da usina.

A história, ainda sem fim, começou com o anúncio, pela Prefeitura do Recife, do pré-acordo feito com a Recife Energia para o recebimento das 1.350 toneladas diárias de resíduos sólidos que a cidade produz. Com o lixo, a unidade 1 da Recife Energia iria separar a parte orgânica, possibilitar, em esteiras, que os catadores selecionassem o que fosse reciclável e retirar o lixo que pudesse ser tóxico (como pilhas e canos em PVC). O volume orgânico seria matéria prima de biogestores que transformariam o lixo em gás natural e fertilizante. O problema estava no local onde seria instalada da unidade 1: em parte de uma reserva de Mata Atlântica, a Mata do Engenho Uchoa.

A parte não orgânica, não tóxica e nem reciclável seria transformada em combustível para a usina de cogeração de energia e vapor no município do Cabo de Santo Agostinho. O Cabo é também a cidade onde está parte do Complexo Industrial e Portuário de Suape. O porto e seu entorno industrial está em parte no Cabo e em parte no município de Ipojuca. A prefeitura do Cabo negou licenciamento para a unidade 2 do Recife Energia alegando que o movimento de veículos está saturado.

Parte da viabilidade econômica do empreendimento está em vender o vapor que será gerado na usina para uma das várias indústrias instaladas em Suape. Com o veto da prefeitura do Cabo, executivos da Recife Energia procuram, agora, um novo local para a instalação da unidade 2. (Celso Calheiros)

Leia mais
Incineração gera polêmica em Recife

Leia também

Análises
19 de julho de 2024

Transespinhaço: a trilha que está nascendo na única cordilheira do Brasil

Durante 50 dias e 740 quilômetros a pé, testei os caminhos da Transespinhaço em Minas Gerais, de olho nos desafios e oportunidades para esta jovem trilha de longo curso

Notícias
19 de julho de 2024

Indústria da carne age para distrair, atrasar e inviabilizar ação climática, diz relatório

Trabalho de organização europeia analisou 22 das maiores empresas de carne e laticínios em quatro continentes

Salada Verde
19 de julho de 2024

Amazônia é mais destruída pelo consumo nacional do que pelas exportações

Consumo e economias das grandes cidades do centro-sul são o principal acelerador do desmatamento da floresta equatorial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.