Salada Verde

Gaetani é o novo secretário-executivo

No Ministério do Planejamento desde 2008, gestor tem perfil técnico e assume segundo cargo mais importante do Ministério do Meio Ambiente.

Redação ((o))eco ·
19 de janeiro de 2011 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Braço direito de Izabella Teixeira é gestor público desde 1988  (foto: Ministério do Planejamento)
Braço direito de Izabella Teixeira é gestor público desde 1988 (foto: Ministério do Planejamento)

Brasília – A ministra Izabella Teixeira está mesmo reestruturando a sua equipe. Após a queda de peso de Abelardo Bayma, ex-presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), é a vez de José Machado cair da secretaria executiva do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Francisco Gaetani, ex-secretário- adjunto do Ministério do Planejamento, é quem o substitui.

Francisco Gaetani foi nomeado nesta terça-feira, 17, em decreto publicado ontem no Diário Oficial da União, pela presidente Dilma Rousseff. O novo secretário-executivo, que trabalhou no Planejamento desde 2008, é da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental desde 1988.

Formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1984, Gaetani tem doutorado em Administração Pública e mestrado em Políticas Públicas pela London School of Economics, na Inglaterra.

A exoneração de José Machado foi divulgada no mesmo dia, em decreto seguinte ao da nomeação. Machado, que já foi líder da bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados, em 1997, foi também representante da bancada federal do PT na tramitação, discussão e votação do Projeto de Lei que culminou na Lei nº 9984/00, que criou a Agência Nacional de Águas.

Enquanto secretário-executivo do MMA, José Machado participou da organização, em outubro passado, do seminário “Assuntos Estratégicos da Amazônia” , juntamente com a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE) e apoio do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O objetivo do seminário, entre outras coisas, foi revisar o Plano Amazônia Sustentável (PAS), criado em 2008 pela então ministra de Meio Ambiente, Marina Silva. A intenção do governo federal de alterar um plano às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais, em um momento em que Marina Silva já se encontrava fora do páreo, mas tornava-se peça chave na aliança com os demais candidatos, gerou insatisfação e polêmica. (Nathália Clark)

Link para os decretos no DOU:  

Leia também
Presidente do Ibama é o primeiro a cair
As promessas ambientais de Dilma Rousseff

 

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta