Salada Verde

Por redução de desmatamento, ministra receberá prêmio na ONU

Izabella Teixeira será agraciada com o prêmio “Campeões da Terra”, do PNUMA. A cerimônia será realizada na próxima quarta, em Nova York.

Redação ((o))eco ·
16 de setembro de 2013 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

 

Ministra Izabela Teixeira receberá o prêmio “Campeões da Terra”. Em cima, ela está ao lado de Denise Hamú, representante do PNUMA no Brasil. Elza Fiúza/ABr.
Ministra Izabela Teixeira receberá o prêmio “Campeões da Terra”. Em cima, ela está ao lado de Denise Hamú, representante do PNUMA no Brasil. Elza Fiúza/ABr.

A ministra Izabella Teixeira, do Meio Ambiente, foi escolhida para receber o mais importante prêmio ambiental das Nações Unidas: o Campeões da Terra. A cerimônia será realizada na próxima quarta-feira (18), em Nova York e irá homenageá-la pelo trabalho na manutenção na queda anual de desmatamento na Amazônia Legal.

O resultado da premiação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) foi divulgado na última quinta-feira (12). O prêmio existe desde 2005 e é destinado a líderes de governo, da sociedade civil e do setor privado que tiveram atuação ambiental destacável. Segundo a ONU, 59 pessoas e organizações já foram homenageadas. Izabella será condecorada na categoria Liderança Política.

“Este prêmio é um reconhecimento a uma carreira de 30 anos como analista ambiental e a toda uma geração de analistas ambientais que também está fazendo a diferença. A área ambiental tem temas muito complexos de negociação. Ninguém discorda que é preciso ter um planeta mais limpo, sem poluição e sem desmatamento ilegal, mas na hora de construir as soluções para resolver os problemas é um processo muito complexo”, afirma Izabella, em discurso de agradecimento registrado pela Agência Brasil.

O desmatamento na Amazônia Legal vem caindo desde 2005. Em 2012 atingiu o menor valor histórico do desmatamento na Amazônia Legal desde que a região começou a ser monitorada pelo INPE, em 1988.

Quando saíram as estimativas do Prodes, em novembro do ano passado, os negociadores brasileiros no Qatar, durante a COP 18, foram aplaudidos de pé. Em maio, os dados consolidados abaixaram ainda mais o desmatamento, menor que 5 mil km², uma marca considerada irreal há 8 anos, quando o desmatamento atingiu 19 mil km² na Amazônia.

Esta é a segunda vez que um ministro brasileiro ganha o prêmio. Em 2007, a então ministra Marina Silva também foi contemplada.  

 

Leia Também

Dia do Índio: Almir Suruí, eleito herói da floresta pela ONU
Confirmado o menor desmatamento da história na Amazônia
Ministério do Meio Ambiente ganha 952 mil hectares para preservar

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta