Salada Verde

Governo publica Deter em meio a críticas sobre atrasos de divulgação

Foram publicados hoje os dados de desmate dos meses de junho e julho. É o segundo aumento consecutivo de alta forte nos dados mensais.

Daniele Bragança ·
2 de setembro de 2014 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Avanço de pasto em cima de área protegida. Grupo que desmatou área para virar pasto é desmantelado pela Operação Cachoeira. Foto: Ascom/Ibama.
Avanço de pasto em cima de área protegida. Grupo que desmatou área para virar pasto é desmantelado pela Operação Cachoeira. Foto: Ascom/Ibama.

Após criticas de organizações ambientalistas por atrasar as divulgações dos dados de desmatamento, o governo publicou na sexta-feira (29) os dados do Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real (Deter), ferramenta que auxilia o Ibama na fiscalização de desmatamento e mudança de solo na Amazônia. Pelos números, que não eram divulgados desde junho, o desmatamento na Amazônia continua aumentando.

Em junho foram verificados 535 km², um aumento de 155% em relação a junho de 2013, quando foram desmatados 210 km² na Amazônia. Já em julho houve o registro de 729 km2 de alerta de desmatamento, aumento de 236% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram registradas 217 km² de perda de florestas.

Porém, o dado mais significativo vem da análise dos acumulados do ano. De agosto de 2013, quando se começa a contar o ano no calendário do desmatamento, a julho de 2014, foram registrados aproximadamente 3035 km² de perda de floresta, contra 2765 km² de perda registrado no mesmo período do ano anterior (agosto/2012 a julho 2013), um aumento de 9,8% de um ano para o outro. Os dados do Deter não são usados para mensurar o desmatamento anual, pois têm uma precisão menor do que os usados no Prodes, o sistema oficial. Porém, servem para demonstrar a tendência de aumento e essa aponta para cima.

Atrasos

O que tem criado desconfiança entre os ambientalistas é a demora na divulgação de dados consolidados do Prodes, que mede o desmatamento anual na Amazônia Legal. Os dados preliminares foram divulgados em novembro do ano passado, durante a 19ª Conferência das Partes do Clima (COP – Polônia). Na ocasião, foi anunciado um aumento de 28% no corte raso (quando há retirada total de madeiras) na Amazônia, indo para o patamar de 5.843 km² de floresta derrubada, contra 4.571 km² registrado no ano anterior.

O esforço que o governo faz para publicar os dados preliminares do desmatamento anual durante a ocorrência de encontros do clima (COPs) acontece desde 2008, ainda durante a gestão da Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente. Porém, o governo atrasou a divulgação dos dados consolidados, que confirmam os números preliminares (feitos por amostragem) ou corrigem as diferenças que nunca passaram de 10% para cima ou para baixo o número. Esses números normalmente são divulgados em maio e junho. Esse ano, isso não aconteceu.

No dia 19 de agosto, o Instituto Socioambiental (ISA) protocolou um ofício requisitando aos ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clélio Campolina Diniz, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, acesso aos dados consolidados do Prodes, referentes ao desmatamento de 2013, e aos dados do Degrad referentes a 2011, 2012 e 2013.

Em menos de uma semana os dados de Degrad saíram. Nessa segunda, o governo publicou os dados do Deter, falta saber quando os números consolidados do Prodes de 2013 será tornado público.

*A matéria foi editada para corrigir um erro na primeira versão que publicou um aumento de 168% na área de desmatamento detectada pelo Deter, quando, de fato, esse número foi de 9,8%.

 

 

Leia Também
Os riscos climáticos e econômicos da destruição das florestas amazônicas
Caem alertas de desmatamento na Amazônia
Brasil, campeão na redução de emissões? Há controvérsia

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta