Salada Verde

Ativista do Greenpeace é condenado por danificar patrimônio cultural no Peru

O austríaco Wolfgang Sadik foi condenado a 2 anos e 4 meses de prisão por danificar as linhas de Nazca, fato que ocorreu durante a COP20 em 2014

Sabrina Rodrigues ·
22 de maio de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
“É hora de mudar. O Futuro é renovável” escrito em letras amarelas nas linhas de Nazca pelos ativistas do Greenpeace. Foto: Thomas Reinecke/Greenpeace.
“É hora de mudar. O Futuro é renovável” escrito em letras amarelas nas linhas de Nazca pelos ativistas do Greenpeace. Foto: Thomas Reinecke/Greenpeace.

Na quinta-feira (18), o Tribunal da cidade de Nazca, a 450km de Lima, no Peru, condenou o arqueólogo austríaco Wolfgang Sadik a 2 anos e 4 meses de prisão, com direito à liberdade condicional e multa de quase US$ 200 mil dólares por danificar os milenares geoglifos (figuras feitas no chão) de Nazca, de mais de 2 mil anos considerados patrimônio cultural pela UNESCO.

O fato ocorreu em 2014, época em que ocorria a Conferência das Partes da ONU sobre o Clima (COP20). O austríaco liderou um grupo de doze ativistas que invadiram a área sem autorização e escreveram uma imensa mensagem de letras amarelas, em que dizia “Time for change! The future is renewable. Greenpeace” (“É hora de mudar. O futuro é renovável“). O recado era direcionado aos representantes dos países que estavam reunidos na COP20.

Wolfgang Sadik assumiu a responsabilidade por ter danificado a figura do Beija-flor, parte das linhas de Nazca. A atitude provocou danos aos desenhos milenares criados pela civilização de Nazca, entre 400 e 650 a.C. O governo peruano denunciou o Greenpeace ao Ministério Público. Na época, o Greenpeace emitiu uma nota lamentando o ocorrido e pedindo desculpas à população do Peru.

De acordo com o jornal La República, os outros membros que participaram da ação não se apresentaram à Justiça. São eles, os argentinos Rodrigo Miguel Abd e Mauro Fernández, o colombiano Herbert Villarraga Augusto Salgado e Iris Wiedmann. Eles terão que se apresentar para ouvir suas sentenças durante a próxima audiência que será realizada na primeira semana de julho.

 

Leia Também

Greenpeace invade ruínas milenares e revolta peruanos

Nazca pelo avesso

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Colunas
23 de fevereiro de 2015

Nazca pelo avesso

Peruanos ignoram o potencial turístico da área no entorno de Nazca e reservas extraordinárias permanecem desconhecidas pelos turistas.

Salada Verde
11 de dezembro de 2014

Greenpeace invade ruínas milenares e revolta peruanos

Mensagem de protesto contra mudanças climáticas pode ter danificado Linhas de Nazca, de 2.100 anos. Governo do Peru pretende processar ativistas.

Análises
29 de novembro de 2021

Compatibilizar o incompatível é solução pra quê?

Querem mudar a Lei do SNUC através de um instrumento obtuso sem suporte científico, que ignora tudo que a legislação estabelece no que concerne à proteção da nossa biodiversidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta