Salada Verde

Garimpo atrai uma multidão para reserva ambiental no Amazonas

A presença de garimpeiros na região está modificando a rotina dos moradores e acarretando danos ambientais como a mudança no leito do rio e o despejo de derivados de petróleo

Sabrina Rodrigues ·
28 de novembro de 2016 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Rio Madeira, Amazonas. Foto: Wilson Dias/ABr - Agência Brasil
Rio Madeira, Amazonas. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A corrida por ouro está levando milhares de pessoas para o trecho do rio Madeira, no Amazonas, perto de uma comunidade onde residem 16 famílias e uma área que faz parte da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Madeira, de 283 mil hectares. A chegada de pessoas estranhas ao ambiente e a prática de garimpo estão modificando a rotina de quem já mora na região. Os moradores passaram a comprar galões de água na cidade mais próxima, Novo Aripuanã, por causa da contaminação, além de sofrerem com o barulho alto dos motores ligados e com o ar repleto com fumaça de óleo diesel. A pesca já foi interrompida. Os danos ambientais são outros motivos de preocupação, como a mudança no leito do rio, despejo de derivados de petróleo e o transtorno para a fauna aquática. De acordo com o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), no rio Madeira, o ouro é muito fino, apresentando tipo de pureza correspondente a mais de 98%. As notícias dão conta de que a fiscalização, até o momento, apresentou pouco resultado. O chefe da RDS Rio Madeira, Miqueias Santos, pediu a ajuda de dois PMs para a retirada de garimpeiros de uma praia, mas dias depois, recebeu ameaças e teve de deixar Novo Aripuanã. Segundo o secretário estadual de Meio Ambiente, Antônio Stroski, uma operação com o governo federal está sendo planejada.

Fonte original: Folha de S. Paulo

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
14 de janeiro de 2022

Thiago de Mello, conhecido como o “poeta da floresta”, morre aos 95 anos

Poeta e jornalista amazonense cantou em prosa e verso sua luta pela preservação da maior floresta tropical do mundo

Reportagens
14 de janeiro de 2022

Venenos usados na soja seguem prejudicando a produção de frutas no Rio Grande do Sul

Agrotóxicos contra pragas resistentes ao glifosato contaminam e destroem plantios de uvas e outras economias no estado. Questão aguarda decisão judicial há mais de 1 ano

Análises
14 de janeiro de 2022

Monitoramento do comércio de combustível de aviação ajuda no combate ao crime ambiental

Desregulamentação e desestatização não pode significar abandono total do controle da distribuição e revenda, sob risco de aumentar o descaminho do combustível e sua utilização em atividades criminosas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Diego diz:

    Onde assisto ao filme? O link já era…