Salada Verde

MPF e polícia executam mandados contra suspeitos de danificar prédios públicos no Amazonas

Foram 15 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão contra os autores do incêndio dos prédios do IBAMA, ICMBio e INCRA, que aconteceu em outubro passado, no Humaitá

Sabrina Rodrigues ·
27 de março de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Cerca de 120 policiais atuaram na operação “Lex Talionis” para cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão contra os participantes da ação que danificou bens públicos do IBAMA, ICMBio e INCRA em outubro do ano passado. Foto: Polícia Federal.

Nesta terça-feira (27), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região autorizou a execução de 15 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão contra os grupos que queimaram os escritórios do IBAMA, ICMBio e INCRA em outubro do ano passado, quando os órgãos realizavam fiscalização para o combate ao garimpo ilegal em Humaitá, Amazonas.

A ação foi realizada pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal, que disponibilizou cerca de 120 policiais, na operação batizada de “Lex Talionis”, que faz alusão à Lei de Talião, conhecida pela máxima olho por olho, dente por dente. Os agentes identificaram alguns políticos responsáveis por incentivar os manifestantes a depredarem os bens dos órgãos públicos e garimpeiros como executores das ações.

Os envolvidos responderão pelos crimes de associação criminosa e dano qualificado, que preveem penas que somadas podem chegar a 6 anos de prisão.

Entenda o caso
Em 24 de outubro do ano passado, agentes do Ibama, ICMBio, Força Nacional e Exército Brasileiro realizaram a operação “Ouro Fino” que visava coibir a lavra garimpeira ilegal no leito do Rio Madeira e no entorno da Floresta Nacional (Flona) de Humaitá. A ação desencadeou uma reação agressiva por parte dos garimpeiros e da população local, que atearam fogo nos escritórios e veículos do Ibama e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Ninguém saiu ferido, mas os danos causaram prejuízo avaliado em mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos federais. São investigados os crimes de associação criminosa, dano qualificado e usurpação de bem da União (garimpo ilegal).

 

*Com informações da Assessoria de Comunicação do Ministério Público Federal

 

Leia Também

MPF denuncia 25 proprietários de dragas por mineração ilegal no Amazonas

Políticos participaram de ataques em Humaitá

Prédios do Ibama e ICMBio são atacados no Amazonas

 

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
27 de outubro de 2017

Prédios do Ibama e ICMBio são atacados no Amazonas

Ataques foram reação a uma operação contra o garimpo ilegal no Rio Madeira, em Humaitá (AM). Prédios do Ibama e do ICMBio foram incendiados

Notícias
29 de outubro de 2017

Políticos participaram de ataques em Humaitá

Ministério Público recebeu vídeos e áudios que indicam a participação de agentes públicos nos tumultos de sexta-feira liderada por garimpeiros

Notícias
11 de janeiro de 2018

MPF denuncia 25 proprietários de dragas por mineração ilegal no Amazonas

Decisão do órgão federal se baseou em fiscalização realizada em outubro do ano passado, no rio Madeira, no município de Humaitá. Dragas retiravam ilegalmente ouro da região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta