Análises

Patrimônio Mundial da Humanidade?

A Floresta da Tijuca tem os atributos que a UNESCO exige a um Sítio do Patrimônio Mundial. Mesmo assim, a candidatura foi rejeitada. Por que?

Pedro da Cunha e Menezes ·
7 de fevereiro de 2011 · 11 anos atrás
 

Tijuca Mirim e Pedra do Conde, vistas do Pico da Tijuca (foto: Pedro da Cunha e Menezes)
Tijuca Mirim e Pedra do Conde, vistas do Pico da Tijuca (foto: Pedro da Cunha e Menezes)
Recentemente caiu-me nas mãos o dossier da candidatura da Floresta da Tijuca a Patrimônio Mundial da Humanidade. Quando fui diretor do Parque estive envolvido no princípio dessa iniciativa, cujo grande mérito, contudo, é de José Pedro de Oliveira Costa. Depois, exonerado, afastei-me da preparação do dossier e nem cheguei a vê-lo antes de ser entregue à UNESCO.
 
A Floresta é sem dúvida um bem único e icônico. Tem os atributos que a UNESCO exige de um Sítio do Patrimônio Mundial. Mesmo assim, a candidatura foi rejeitada. Por que? O dossier é rico em informações e está bem escrito mas, a meu ver, atira longe do alvo. Defende o corriqueiro e relega o extraordinário a um canto de página.
 
A Floresta não é depositária de espécies endêmicas e únicas nem protege um ecossistema raríssimo, características destacadas pela defesa da Candidatura.O que a Tijuca tem mesmo de especial e pioneiro é sua história, sobretudo sua gênese. É uma Floresta quase nativa, criada pelo Homem. Inteiramente replantada. Esse é o legado que merece o estatuto de proteção outorgado pela UNESCO. A Tijuca é um monumento à capacidade da natureza de se regenerar, transformando uma enorme plantação de café em uma exuberante Mata Atlântica. Basta vontade política e uma (ou algumas) mãozinha(s).
 
Se hoje o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) tem um projeto para que sejam plantadas um bilhão de mudas ao redor do mundo, há 150 anos o então provinciano Império do Brasil já mostrava que era possível recriar uma Floresta a partir do zero. Mais do que a Floresta em si, esse processo sim é merecedor do galardão!
 
Sugiro refazer o dossier enfatizando essas características que deveriam servir de exemplo para o Mundo inteiro. É possível recuperar a natureza. A Tijuca é o primeiro exemplo mundial disso, e por isso merece ser elevada a Patrimônio Mundial da Humanidade.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta