Colunas

“Onde queremos chegar?”

Trilhas podem ser complicadas. Cada pessoa desaparecida corresponde a uma pequena tragédia ambiental, com equipes de resgate na mata. O GPS ajudaria, mas sem ele, melhor sinalizar.

15 de agosto de 2008 · 13 anos atrás
Em conclusão, o progresso, se bem utilizado pode ser benéfico para a administração das áreas protegidas, tanto do ponto de vista estético quanto da perspectiva do manejo do meio ambiente. Enquanto essa tecnologia não chega, contudo, não há outra saída. Se a administração da Floresta da Tijuca (e de tantos outros Parques por esse Brasilzão afora) não botar a mão na massa, pegar suas latas de tinta, repintar as setas sinalizadoras e reforçar o manejo de suas trilhas, desobstruindo os caminhos e fechando os atalhos que levam os incautos aos caminhos da perdição, as manchetes de jornal com bombeiros heróis e trilheiros exaustos vão se repetir. A árvore de natal é feia- não há dúvida- mas sem ela uma visita à Floresta arrisca-se a virar um presente de grego.

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta