Notícias

Na ponta do lápis

Ciclista paulistano faz as contas dos custos de se manter um automóvel em SP: após cinco anos, valor gasto daria para comprar um novo carro. Melhor alternativa é integração entre meios.

Redação ((o))eco ·
25 de fevereiro de 2010 · 12 anos atrás

Que usar bicicleta ao invés de carro é mais econômico, todo mundo sabe. Mas Ricardo Fiorini, um ciclista apaixonado – e dono de loja de bikes, importante dizer – resolveu colocar na ponta do lápis os valores desta conta. Fiorini usou como base de cálculo um automóvel que, ao tirar da loja zero km, custaria R$ 35 mil. Ao fazer as contas das despesas com manutenção, seguro, IPVA, depreciação do veículo, combustível, multas ocasionais e estacionamento, o ciclista concluiu que, ao final de cinco anos, o dono deste carro terá gasto mais cerca de R$ 53 mil. Ou cerca de R$ 10.500 por ano, R$ 900 por mês, R$ 30 por dia. Se optasse por ônibus ou metrô, um paulistano gastaria diariamente R$ 6 e, se fosse de magrela, R$ 1,83/dia (valor da bicicleta, considerando aquisição de uma nova após três anos de uso) nestes cinco anos.  A conclusão que Fiorini chegou foi de que a melhor alternativa para quem quer gastar pouco e ainda chegar no horário é a integração dos transportes públicos com uso da bike, com custo diário de R$ 7,83.

Leia também

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta