Notícias

A energia que o Brasil quer

Plano Decenal de Energia do Ministério de Minas e Energia, disponível a partir de hoje para consulta pública, destinará R$ 77 bilhões para novas hidrelétricas. Eólica e biomassa ficam com 29% do total.

Redação ((o))eco ·
4 de maio de 2010 · 12 anos atrás

O Ministério de Minas e Energia (MME) disponibilizou hoje (4) para consulta pública o novo Plano Decenal de Energia (PDE), que engloba o período de 2010 a 2019. Neste período o setor de geração receberá R$ 175 bilhões de investimentos. Cerca de 62% deste valor será investido a partir de 2014, quando a expansão será feita somente por meio de renováveis. A notícia, no entanto, não é tão boa assim: 71% deste valor (R$ 77 bilhões) serão destinados a novas hidrelétricas e somente R$ 31 bilhões para outras fontes, como biomassa e solar, por exemplo.

Além disso, o MME só garante o investimento em renováveis se nenhum “entrave ambiental” afetar o cronograma. ““A concretização deste plano depende principalmente da obtenção de licenças prévias ambientais.  Caso contrário, uma eventual expansão de projetos termelétricos, preferencialmente movidos a gás natural, mas também projetos a carvão mineral, poderão constituir alternativa de atendimento à demanda, frente a eventuais atrasos dos projetos indicados”, afirma trecho do documento.

A capacidade instalada brasileira, que no final de 2009 estava em 103 mil MW, chegará no final de 2019 a 167 mil MW, um incremento de 61%. Quem quiser enviar comentários ou sugestões pode enviar e-mail ao MME até 2 de junho, no [email protected] ou pelo endereço: “Ministério de Minas e Energia – MME, Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético – SPE, Esplanada dos Ministérios, Bloco U, Sala 509, Brasília-DF, CEP 70.065-900”. (Cristiane Prizibisczki)

Atalho:
– Plano Decenal de Energia 2010 – 2019

Leia mais sobre o assunto:
– Café com bobagem
– As velhas novas energias

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta