Notícias

A energia que o Brasil quer

Plano Decenal de Energia do Ministério de Minas e Energia, disponível a partir de hoje para consulta pública, destinará R$ 77 bilhões para novas hidrelétricas. Eólica e biomassa ficam com 29% do total.

Redação ((o))eco ·
4 de maio de 2010 · 11 anos atrás

O Ministério de Minas e Energia (MME) disponibilizou hoje (4) para consulta pública o novo Plano Decenal de Energia (PDE), que engloba o período de 2010 a 2019. Neste período o setor de geração receberá R$ 175 bilhões de investimentos. Cerca de 62% deste valor será investido a partir de 2014, quando a expansão será feita somente por meio de renováveis. A notícia, no entanto, não é tão boa assim: 71% deste valor (R$ 77 bilhões) serão destinados a novas hidrelétricas e somente R$ 31 bilhões para outras fontes, como biomassa e solar, por exemplo.

Além disso, o MME só garante o investimento em renováveis se nenhum “entrave ambiental” afetar o cronograma. ““A concretização deste plano depende principalmente da obtenção de licenças prévias ambientais.  Caso contrário, uma eventual expansão de projetos termelétricos, preferencialmente movidos a gás natural, mas também projetos a carvão mineral, poderão constituir alternativa de atendimento à demanda, frente a eventuais atrasos dos projetos indicados”, afirma trecho do documento.

A capacidade instalada brasileira, que no final de 2009 estava em 103 mil MW, chegará no final de 2019 a 167 mil MW, um incremento de 61%. Quem quiser enviar comentários ou sugestões pode enviar e-mail ao MME até 2 de junho, no [email protected] ou pelo endereço: “Ministério de Minas e Energia – MME, Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético – SPE, Esplanada dos Ministérios, Bloco U, Sala 509, Brasília-DF, CEP 70.065-900”. (Cristiane Prizibisczki)

Atalho:
– Plano Decenal de Energia 2010 – 2019

Leia mais sobre o assunto:
– Café com bobagem
– As velhas novas energias

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta