Notícias

Novo site sobre as UCs da Amazônia Brasileira

Instituto Socioambiental criou novo portal com ferramentas para visualização de mapas além de informações específicas sobre o tema.

·
29 de abril de 2011 · 11 anos atrás
Daniele Bragança

Em comemoração ao Ano Internacional de Florestas, O Instituto Socioambiental (ISA) disponibiliza um novo site dedicado inteiramente às Unidades de Conservação (UCs) na Amazônia Brasileira.

Dividido em Áreas Protegidas; Biodiversidade; Unidades de Conservação; Desafios; Políticas Públicas e Números, o portal dispõe de uma variedade de fontes (de gestores a especialistas), fotografias e imagens espaciais, que podem ser visualizadas por meio da plataforma Google Maps. Com toda essa diversidade de informações e interatividade, (pois possibilita a colaboração dos usuários no envio de fotos identificadas), o site se torna o mais completo feito no país sobre o assunto, além de assegurar uma avaliação da situação de cada unidade de conservação da Amazônia Legal.

Sabe-se que as Unidades de Conservação ocupam 24,73% da Amazônia Legal, uma extensão aproximada de 123.817.882 hectares. É uma parte muito grande e nada desprezível do território nacional.

No site, é possível aferir o grau de conservação ambiental através de temas como desmatamento, mineração, grandes obras e focos de calor, além de informações sobre localização, caracterização ambiental, gestão da UC, documentos legais, entre outros. Notícias veiculadas sobre o tema também serão disponibilizadas.

O novo site da ISA vem atender a demanda de se conhecer o que é e qual a importância das Unidades de Conservação.

Clique aqui para conhecer o site.

*Editado em 10/10/2012


Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta