Notícias

Consórcio de Estreito diz que a pesca aumentou

Após reportagem de ((o))eco ter mostrado mortandade de peixes no rio Tocantins, comunicado à imprensa garante que pescadores da região não estão reclamando.

Leilane Marinho ·
9 de maio de 2011 · 11 anos atrás
 Para Ceste, comerciantes como Frank estão satisfeitos com o “aumento” de peixes. (foto: Divulgação)
Para Ceste, comerciantes como Frank estão satisfeitos com o “aumento” de peixes. (foto: Divulgação)
Palmas – A empresa Clara Comunicações, responsável pela assessoria de comunicação do Consórcio Estreito Energia (Ceste) divulgou na última quarta-feira, 04, release com fotos e depoimentos de pescadores que dizem estar “satisfeitos” com o pesca na área do reservatório da Usina Hidrelétrica (UHE) de Estreito (MA).

O comunicado “Pescadores e vendedores de peixe comemoram fartura do pescado na Região Tocantina” foi distribuído por email a jornalistas após a reportagem veiculada em ((o)) eco que mostrou, no final do mês de abril, os impactos ambientais e sociais causados pela mortandade de peixes na zona de influência da hidrelétrica.

Durante duas semanas a reportagem do ((o))eco , que esteve em Estreito e conversou com os pescadores, tentou sem sucesso obter esclarecimentos com a Clara Comunicações sobre os problemas denunciados pela Colônia de Pescadores de Estreito, entre eles, a morte de quase 35 toneladas de peixes– a maioria jaú.

Até o fechamento da reportagem, a assessoria justificou que fortes chuvas que ocorriam na região haviam deixado o escritório sem estrutura de comunicação. Já se passaram mais de 20 dias e nenhum retorno foi dado pela Clara Comunicações.

Release

No release divulgado pela empresa, a autora Francília Cutrim cita o comerciante Francisco (Frank) Linhares da Silva como um dos contentes com o aumento na venda de pescado. Leia abaixo trecho do comunicado

“Frank comenta que seu principal fornecedor é a Colônia de Pescadores de Estreito. ‘Com eles compro surubim, jaú, barbado, filhote, cachorra. Todos frescos, de boa qualidade e pescados no Rio Tocantins’ […] O empreendedor acrescenta que a “barragem” – como se refere à Usina Hidrelétrica Estreito (UHE Estreito) – trouxe muito movimento para o setor. ‘Só para se ter uma ideia, antes os pontos de venda de pescado na feira viviam vazios. Hoje estão todos ocupados e vendendo bem’.

O pescador Raimundo Lima é associado há mais de 14 anos na Colônia de Pescadores de Estreito e diz estranhar o comentário de que não se pesca mais no Rio Tocantins. ‘O rio continua dando peixe. Antes, era difícil pegar o jaú, o filhote, e hoje já se vê esses peixes pendurados no mercado e em bom tamanho e bonitos. Então, eu acredito que o peixe pra nós vai aumentar mais”, comenta ao se referir à quantidade e qualidade do pescado’.

{iarelatednews articleid=”22249,24931″}

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta