Notícias

Consórcio de Estreito diz que a pesca aumentou

Após reportagem de ((o))eco ter mostrado mortandade de peixes no rio Tocantins, comunicado à imprensa garante que pescadores da região não estão reclamando.

Leilane Marinho ·
9 de maio de 2011 · 11 anos atrás
 Para Ceste, comerciantes como Frank estão satisfeitos com o “aumento” de peixes. (foto: Divulgação)
Para Ceste, comerciantes como Frank estão satisfeitos com o “aumento” de peixes. (foto: Divulgação)
Palmas – A empresa Clara Comunicações, responsável pela assessoria de comunicação do Consórcio Estreito Energia (Ceste) divulgou na última quarta-feira, 04, release com fotos e depoimentos de pescadores que dizem estar “satisfeitos” com o pesca na área do reservatório da Usina Hidrelétrica (UHE) de Estreito (MA).

O comunicado “Pescadores e vendedores de peixe comemoram fartura do pescado na Região Tocantina” foi distribuído por email a jornalistas após a reportagem veiculada em ((o)) eco que mostrou, no final do mês de abril, os impactos ambientais e sociais causados pela mortandade de peixes na zona de influência da hidrelétrica.

Durante duas semanas a reportagem do ((o))eco , que esteve em Estreito e conversou com os pescadores, tentou sem sucesso obter esclarecimentos com a Clara Comunicações sobre os problemas denunciados pela Colônia de Pescadores de Estreito, entre eles, a morte de quase 35 toneladas de peixes– a maioria jaú.

Até o fechamento da reportagem, a assessoria justificou que fortes chuvas que ocorriam na região haviam deixado o escritório sem estrutura de comunicação. Já se passaram mais de 20 dias e nenhum retorno foi dado pela Clara Comunicações.

Release

No release divulgado pela empresa, a autora Francília Cutrim cita o comerciante Francisco (Frank) Linhares da Silva como um dos contentes com o aumento na venda de pescado. Leia abaixo trecho do comunicado

“Frank comenta que seu principal fornecedor é a Colônia de Pescadores de Estreito. ‘Com eles compro surubim, jaú, barbado, filhote, cachorra. Todos frescos, de boa qualidade e pescados no Rio Tocantins’ […] O empreendedor acrescenta que a “barragem” – como se refere à Usina Hidrelétrica Estreito (UHE Estreito) – trouxe muito movimento para o setor. ‘Só para se ter uma ideia, antes os pontos de venda de pescado na feira viviam vazios. Hoje estão todos ocupados e vendendo bem’.

O pescador Raimundo Lima é associado há mais de 14 anos na Colônia de Pescadores de Estreito e diz estranhar o comentário de que não se pesca mais no Rio Tocantins. ‘O rio continua dando peixe. Antes, era difícil pegar o jaú, o filhote, e hoje já se vê esses peixes pendurados no mercado e em bom tamanho e bonitos. Então, eu acredito que o peixe pra nós vai aumentar mais”, comenta ao se referir à quantidade e qualidade do pescado’.

{iarelatednews articleid=”22249,24931″}

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta