Notícias

Governo tira o projeto da Usina de Sinop do papel

Usina foi ofertada no leilão de energia realizado nesta quinta-feira (29). Os projetos envolvendo térmicas a carvão não foram leiloados.

Redação ((o))eco ·
29 de agosto de 2013 · 9 anos atrás

Rio Teles Pires, onde a polêmica Usina de Sinop será erguida. Foto: Marcos Fernandes da Paz /Flickr
Rio Teles Pires, onde a polêmica Usina de Sinop será erguida. Foto: Marcos Fernandes da Paz /Flickr

Para alívio dos ambientalistas, as três térmicas a carvão que seriam leiloadas nesta quinta-feira (29) não receberam ofertas, mas o governo conseguiu tirar do papel a Usina Hidrelétrica de Sinop, que será construída no rio Teles Pires, em Mato Grosso. A usina enfrenta ação judicial movida pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual por problemas nos Estudos de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima).

De acordo com o Ministério Público, os estudos que embasaram o licenciamento da usina não levam em conta os impactos gerados pelo reservatório do empreendimento. O MP já havia conseguido cancelar o processo de licenciamento de Sinop, em 2010, pois a usina foi licenciada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), e não pelo Ibama. O empreendimento será construído em um rio que atravessa dois Estados.

Outro problema envolvendo a UHE de Sinop é fundiário. O reservatório da usina alagará parte do assentamento 12 de Outubro, local onde onde moram 200 pessoas. O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) bloqueou a BR-163, entre Sinop e Itaúba, na terça-feira (26), em protesto contra o leilão que afetará diretamente esses assentados.

O leilão A-5 ofertou 36 projetos de energia elétrica que só começará a ser produzida em 2018. Desses 36, apenas 19 empreendimentos foram viabilizados: 2 usinas hidrelétricas (UHE Sinop e Salto Apiacás), 9 termelétricas a biomassa e 8 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Os projetos estão localizados nos estados de Mato Grosso, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Piauí.

A Usina de Sinop foi concedida para o Consórcio CES – formado pelas empresas Chesf e Eletronorte – e tem a capacidade de geração de 400 MW. A empresa Alupar fazia parte do consórcio, mas anunciou sua desistência.

 

 

Leia Também
ONGs encaminham carta aberta contra leilão de térmica
Um colossal dilema para a humanidade
A vez do Teles Pires

 

 

 

Leia também

Reportagens
12 de agosto de 2022

Conhecer para preservar: atrizes de Pantanal contam como se apaixonaram pelo bioma

Letícia e Malu explicam a paixão despertada pelo bioma durante as gravações e destacam importância da conservação para a região

Notícias
12 de agosto de 2022

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Notícias
12 de agosto de 2022

Monitoramento de baleias no Rio registra trânsito de 58 baleias próxima das ilhas Cagarras

Desde o ano passado, o Projeto Ilhas do Rio acompanha o corredor migratório das jubartes pelo litoral do Rio. Pesquisadores alertam para grande volume de lixo na rota das baleias

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta