Notícias

Um trabalhador incansável

Enquanto este pequeno joão-de-barro prepara o seu abrigo, aproveitamos para aprender um pouco mais sobre ele. Foto: Vandré Fonseca.

Rafael Ferreira ·
23 de janeiro de 2014 · 8 anos atrás

Este é o famoso [i]Furnarius rufus[/i], ou joão-de-barro, como é conhecido popularmente. Ele foi fotografado em Itaí, interior de São Paulo. De acordo com os moradores, o joão-de-barro começa a fazer o ninho na região sempre em janeiro. Dizem que é facilmente encontrado nos arredores da cidade, no Parque Municipal Mauro Roberto de Moraes, ou em Recinto da Prova do Laço, onde são realizados os grandes eventos da cidade. Foto: Vandré Fonseca.
Este é o famoso [i]Furnarius rufus[/i], ou joão-de-barro, como é conhecido popularmente. Ele foi fotografado em Itaí, interior de São Paulo. De acordo com os moradores, o joão-de-barro começa a fazer o ninho na região sempre em janeiro. Dizem que é facilmente encontrado nos arredores da cidade, no Parque Municipal Mauro Roberto de Moraes, ou em Recinto da Prova do Laço, onde são realizados os grandes eventos da cidade. Foto: Vandré Fonseca.

O joão-de-barro (Furnarius rufus) é uma ave nativa da Argentina – lá chamado de hornero onde é considerado a ave símbolo nacional –, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. A espécie está distribuída por uma vasta região, que vai do sul dos estados brasileiros de Pernambuco, Goiás e Mato Grosso, cobre toda a parte leste da Bolívia, segue para o sul pelas encostas da Cordilheira dos Andes até a altura da Península Valdez, na Argentina, se espalhando destes limites até o litoral atlântico.

Seu nome científico, Furnarius rufus, significa, em latim, construtor de fornos (furnarius) rubro (rufus) e exprime a característica mais peculiar desta pequena ave: o seu ninho de barro em forma de forno. No Brasil, esta característica lhe rendeu os mais variados apelidos: barreiro e joão-barreiro, no Rio Grande do Sul; maria-barreira, na Bahia; forneiro, pedreiro, oleiro e amassa-barro. A fêmea é conhecida como “joaninha-de-barro”, “maria-de-barro” ou “sabiazinho” em certas regiões.

É uma ave muito popular, com contornos folclóricos: é tido como um passarinho trabalhador e inteligente cujo canto lembra uma gargalhada e, para os sulistas, é sinal de bom tempo. Os índios avá guaraní assim explicam sua origem: a jovem Kuairúi havia se enamorado de Tiantiá, um valoroso guerreiro. Queriam casar, mas o cacique Tabáire, pai de Kuairúi, não permitiu, porque a despeito de sua bravura Tiantiá não sabia construir uma cabana. Assim foram transformados em pássaros que ajudam um ao outro na construção do ninho.

Mede 18 a 20 centímetros de comprimento e pesa cerca de 49 gramas. A plumagem do dorso é inteiramente marrom avermelhada. Tem uma suave “sobrancelha”, formada por penas mais claras, em contraste com o restante da plumagem da cabeça. As penas de voo são negras e visíveis quando as asas estão abertas. Em geral, o ventre é de coloração clara, mas alguns indivíduos podem possuir o peito, flancos e barriga amarronzados. O queixo e pescoço brancos e a cauda completamente avermelhada.

O Furnarius rufus é muito comum em paisagens abertas, como campos, cerrados, pastagens, ao longo de rodovias e em jardins. A espécie prefere áreas de vegetação esparsa ou campos abertos onde pode encontrar alimento: de insetos e larvas, aranhas e outros artrópodes e, por vezes, sementes. Passa grande parte do tempo no solo, raramente forrageia nas árvores.

A ave também passa a maior parte do ano envolvida em construções de ninhos, às vezes simultâneo. Faz isto porque está sujeito a perder muitos deles, seja por invasões de outros animais, acidentes com destruição e intervenção humana, ou pela disponibilidade de barro fresco, que depende do regime de chuvas. O ninho em forma de forno é construído pelo casal -– são aves monogâmicas, os casais se mantêm unidos por toda a vida – em galhos baixos de árvores e troncos secos, pontos que possibilitem boa visibilidade do entorno. Se não encontram um local adequado, podem nidificar no chão ou sobre alguma rocha saliente ou, em áreas urbanas, postes elétricos e altos de prédios.

A construção do ninho pode levar de 18 dias a 1 mês até a conclusão, que depende da disponibilidade de materiais: barro, a palha e o esterco fresco. Ao final tem-se uma estrutura em formato de forno, com 17 a 30 cm de diâmetro e uma altura de cerca de 20 cm, que pode pesar até 12 kg, embora a média seja de 5 kg. A entrada tem em geral uma forma elíptica ou em crescente. E, fazendo jus ao formato de forno, são casinhas muito quentes.

Uma parede que separa a entrada de uma câmara incubadora, construída para diminuir as correntes de ar e o acesso de possíveis predadores. Ali a fêmea coloca de 3 a 4 ovos brancos, de casca frágil, que pesam de 4 a 7g e medem de 27 a 29 mm de comprimento por cerca de 21 mm de diâmetro. A incubação, só inicia consistentemente após a postura do terceiro ovo, dura de 14 a 18 dias. Os pais se revezam em todo o processo, da incubação até a alimentação. No início permanecem junto dos filhotes para aquecê-los, mas após oito dias de vida passam cada vez mais tempo fora do ninho. Após 14 dias, os pequenos já treinam seu canto e aos 20 dias deixam o ninho, mas por poucos dias. Durante esse tempo, os pais ainda os alimentam.

Dentre seus predadores o anu-branco, o gavião-carijó, a águia-chilena, e o gambá. Pardais podem expulsar o joão-de-barro para usar seu ninho. O chupim pode parasitar os ninhos colocando ali seu ovo, para que o casal de joões-de-barro o incube e crie o filhote alheio. Uma vez abandonados os ninhos são ocupados por uma grande variedade de aves, insetos, além de cobras e pererecas. A andorinha Phaeoprogne tapera utiliza exclusivamente ninhos vazios de joão-de-barro para sua própria nidificação.

De acordo com a Lista Vermelha da IUCN, a população do joão-de-barro, embora não quantificada, parece estar aumentando e foi descrita como comum. Por tais motivos, a espécie é classificada como Pouco preocupante. A espécie tem invadido cada vez mais as cidades e, em virtude do desmatamento, que cria campos ou arborização rala, também sua zona de ocorrência está aumentado.

 

Leia também
Parides ascanius: a borboleta praiana
Chauá, o papagaio de muitos apelidos
Uma coleira para a preguiça

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta