Notícias

Yes, nós sabemos o que é biodiversidade

Pesquisa realizada em 7 países indica que consumidores de nações emergentes conhecem melhor o termo biodiversidade do que de países ricos.

Vandré Fonseca ·
16 de abril de 2014 · 8 anos atrás
O país com a maior floresta tropical do planeta não tem dificuldades em entender o que significa biodiversidade. Foto: wikimédia.
O país com a maior floresta tropical do planeta não tem dificuldades em entender o que significa biodiversidade. Foto: wikimédia.

Manaus, AM – O leitor de ((o))eco, com quase toda a certeza, não teria dificuldades para definir o que é biodiversidade. Mas é uma boa surpresa saber que os consumidores brasileiros, além de estarem entre os que mais conhecem uma definição para o termo, também se mostram bastante preocupados com a perda da biodiversidade. Pelo menos foi isso o que demonstrou o Barômetro da Biodiversidade da União para o BioComércio Ético (UEBT), que vem sendo realizada em diversos países desde 2009.

Foram ouvidos aproximadamente 7 mil consumidores em sete países diferentes (Brasil, Alemanha, Colômbia, Estados Unidos, França, Reino Unido e Vietnã), na faixa entre os 16 e 64 anos (no Brasil e Estados Unidos tinham mais de 18 anos; no Vietnã, entre 18 e 50 anos). As entrevistas foram realizadas em fevereiro deste ano.

No Brasil, 90% dos consumidores disseram já ter ouvido falar sobre o tema e 43% sabiam o que é biodiversidade. Nos Estados Unidos, 60% tinham ouvido falar do termo e apenas 21% disseram saber o que é. Os brasileiros demonstraram também ter maior preocupação com a biodiversidade e uso de insumos naturais na fabricação de produtos de beleza do que os consumidores de países da América do Norte e Europa.

Nos países emergentes os entrevistados conheciam melhor o que é biodiversidade do que os entrevistados de países ricos. A França foi uma exceção.

“Nos mercados em ascensão, como o Brasil, os consumidores demonstram uma boa compreensão da biodiversidade e um elevado interesse em abastecimento ético, ou seja, utilizar os recursos naturais respeitando o ambiente e as comunidades fornecedoras”, afirma o afirma o diretor executivo da UEBT, Rik Kutsch Lojenga. “Com o crescimento do mercado desses países, informações como estas passam a ter importância estratégica para as empresas que lá investem.”

Apesar de a pesquisa concluir que o entendimento sobre a biodiversidade cresceu nos países onde a pesquisa foi realizada desde 2009, os dados tiveram um recuo do ano para cá, com exceção do Brasil. Por aqui, entre as pessoas que dizem saber o que é biodiversidade, a proporção daqueles capazes de dar uma definição correta continua a crescer.

Entre as metas traçadas no Plano Estratégico da Convenção da Biodiversidade das Nações Unidas está a que,  até 2020, os cidadãos de todo o mundo devam estar cientes sobre o valor da biodiversidade e os meios para conservá-la. O retrocesso no conhecimento sobre o que o é biodiversidade no último ano indica, segundo os especialistas da UEBT, que são necessários mais esforços para atingir a meta.

“Considerando que 84% dos entrevistados acreditam que é importante contribuir para a conservação da biodiversidade, existe aí uma tremenda oportunidade de trabalharmos juntos para conservar a biodiversidade, evitando perdas de espécies”, afirma o brasileiro Bráulio Ferreira de Souza Dias, secretário executivo da CDB.

 

Leia Também
Consumidores mais interessados em produtos verdes
Calcule sua pegada ecológica
Pesquisa mostra avanço na consciência ambiental do brasileiro

 

Leia também

Salada Verde
25 de maio de 2022

CPI/PUC lança plataforma sobre os 10 anos do Código Florestal

Ferramenta concentra análises, pesquisas e dados sobre a implementação da Lei 12.651/2012 em todos os estados brasileiros

Notícias
25 de maio de 2022

Desmatamento na Mata Atlântica cresce 66% e chega a 21,6 mil hectares em 2021

Estados que estavam perto de atingir o desmatamento zero, como São Paulo e Sergipe, voltam a apresentar alta na destruição do bioma, revela Atlas

Notícias
25 de maio de 2022

Onças encontradas mortas no Pantanal foram envenenadas por agrotóxico, conclui PF

O inseticida Carbofurano, agrotóxico cuja venda é proibida no país, foi usado para envenenar as onças-pintadas. Carcaças foram encontradas em junho de 2021, já em estado de decomposição

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta