Notícias

Poeira do árido Saara fertiliza a exuberante Amazônia

Estudo da Nasa indica que milhares de toneladas de poeira do Saara atravessam o Atlântico, carregando fertilizantes para a Floresta Amazônica

Redação ((o))eco ·
27 de fevereiro de 2015 · 7 anos atrás

Manaus, AM Há cerca de quatro anos, o americano Earl Williams esteve em Manaus em busca de poeira. Ou melhor, da poeira que durante milhares de anos teria atravessado o Atlântico, a partir da Depressão de Bodélé, no Chade, e se depositado no solo da Região Amazônica. Ele vinha de uma grande aventura pelo Deserto do Saara, onde havia feito coletas e pretendia compará-las com um solo amazônico, conhecido como belterra.

Esta história foi contada em ((o))eco, em dezembro de 2010, sem que houvesse ainda um desfecho para a aventura de Williams, que não teve suas idéias recebidas com muita empolgação aqui no Brasil. Mas a história não acabaria ali. Esta semana, um estudo baseado em imagens obtidas por satélites da Nasa ajudam a entender o que, na época, o americano tentava descrever.

A conclusão dos estudos está nas páginas da revista científica Geophysical Research Letters e foi divulgada junto com uma animação produzida pela agência espacial americana. De acordo com a pesquisa, liderada por Hongbin Yu, todos os anos 182 milhões de toneladas de poeira com uma pequena proporção de fósforo são retirados dos vales orientais do Saara. A poeira atravessa mais de 2.500 quilômetros até chegar à América. É o mais longo transporte de poeira pela atmosfera que se tem notícia.

De acordo com o artigo, o fósforo corresponde apenas 0,08% de das 27,7 milhões de toneladas de areia da África que se instala na Amazônia anualmente. Mas é uma quantidade significativa de fertilizante, é o equivalente a tudo em que a região perde desse produto com inundações e chuvas. A maior parte da poeira, porém, não vai para o a região Norte do Brasil. O estudo indica que 132 milhões de toneladas permanecem suspensas no ar. E 43 milhões de toneladas continua a viagem até o Mar do Caribe.

“Nós sabemos que a poeira é muito importante em muitos aspectos. Ela é um componente essencial de sistema global”, afirma Yu. “Poeira pode afetar o clima e, ao mesmo tempo, mudanças climáticas podem afetar a poeira”, completa o pesquisador do O Centro Interdisciplinar de Ciências do Sistema Terra (Essic, na sigla em inglês), mantido pela NASA e pela Universidade de Maryland (EUA).

Os dados foram obtidos a partir de instrumentos a laser do Satélite CALIPSO, entre 2007 e 2013. Os pesquisadores reconhecem que o período estudado ainda é insuficiente para determinar um padrão de transporte dessa poeira. Mas eles afirmam que o resultados são importantes para a compreensão de como os aerossóis, pequenas partículas suspensas no ar, se comportam e como se movem através dos oceanos.

 

Saiba Mais
Artigo: The Fertilizing Role of African Dust in the Amazon Rainforest: A First Multiyear Assessment Based on CALIPSO Lidar Observations,” Hongbin Yu, Mian Chin, Tianle Yuan, Huisheng Bian, Lorraine A. Remer, Joseph M. Prospero, Ali Omar, David Winker, Yuekui Yang, Yan Zhang, Zhibo Zhang and Chun Zhao. Geophysical Research Letters.

Leia Também
A terrível beleza das tempestades de areia
Fruto do mar prejudicado por aquecimento
Amazônia de terra e poeira, onde deveria haver floresta

 

 

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta