Notícias

Boletim: dia de negociações a portas fechadas e discursos de brasileiros na COP 26

Dentro do pavilhão onde ocorre a Conferência do Clima, silêncio, portas fechadas e discursos vazios. Do lado de fora, ruidosos protestos organizados por lideranças indígenas

Redação ((o))eco ·
9 de novembro de 2021

Esta terça-feira (09) foi um dia de negociações a portas fechadas entre ministros e representantes de Estado na Conferência do Clima da ONU (COP 26), que ocorre em Glasgow, no Reino Unido. A três dias do fim previsto (12), a Conferência ainda não entregou o esperado acordo financeiro no qual os países desenvolvidos injetariam recursos para que os países em desenvolvimento possam acelerar o cumprimento das metas de redução de emissões de carbono. O sucesso ou não de Glasgow, entretanto, só ficará claro após o suspiro final da COP. Para o Brasil, foi dia de ouvir os discursos vazios do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e do presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e os protestos de lideranças indígenas do lado de fora do pavilhão onde ocorre a conferência.

Do lado de fora das negociações, a delegação indígena brasileira clama por mais espaço nas negociações e para que suas vozes sejam ouvidas. Neste episódio, escute as falas das lideranças Sônia Guajajara e Telma Taurepang.

Escute o nono episódio do podcast feito por Felipe Werneck e Claudio Angelo, do Observatório do Clima, para ((o))eco:

Leia também

Notícias
6 de novembro de 2021

Boletim: em meio à hostilização de Txai Suruí por discurso, Brasil recebe antiprêmio na COP 26

A jovem indígena, que discursou na Cúpula dos Líderes, foi criticada por Bolsonaro e virou alvo de discurso de ódio nas redes. Em entrevista, Txai Suruí fala sobre ameaças e "projeto de morte" do Brasil

Colunas
8 de novembro de 2021

Agir é urgente e o tempo não está a nosso favor

Já se foi metade da COP26 e o ritmo lento é inimigo do avanço da agenda climática – uma análise da primeira semana da Conferência do Clima

Notícias
1 de novembro de 2021

Boletim: “Esse anúncio [das metas brasileiras] representa empate com o passado”, diz Márcio Astrini

Para o Secretário Executivo do Observatório do Clima, o anúncio feito pelo governo brasileiro na COP 26 é retrato de um país que corre para se encontrar com o passado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta