Notícias

Bomba no Congresso é ‘fake news’, diz Greenpeace

Um equipamento dentro de uma pasta de plástico foi apontada como suposta bomba, durante discussões sobre regras que facilitam aprovação de agrotóxicos no país

Vandré Fonseca ·
25 de junho de 2018 · 3 anos atrás
A organização não governamental, que assumiu ter levado o equipamento dentro de uma pasta de plástico, acusa os deputados de criarem uma “fake news” ao divulgarem a suspeita de bomba. Foto: Greenpeace/Flickr.

A noticiada suposta bomba encontrada na Câmara dos Deputados na semana passada nada mais é do que uma buzina de motocicleta, afirma o Greenpeace. Ela seria usada para fazer barulho contra contra o “Pacote do Veneno”.

A organização não governamental, que assumiu ter levado o equipamento dentro de uma pasta de plástico, acusa os deputados de criarem uma “fake news” ao divulgarem a suspeita de bomba.

“Única bomba é essa lei de agrotóxicos que eles querem aprovar”, reagiu o coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace, Marcio Astrini.

A falsa notícia de bomba foi uma artimanha, de acordo com Astrini, para que a comissão se reunisse de portas fechadas, fugindo da pressão dos manifestantes.

A Assessoria de Imprensa da Câmara dos Deputados não quis dar detalhes sobre o caso, que está sob investigação.

Em nota, informou que, na quarta-feira da semana passada, uma pasta foi achada no Plenário 6 do Anexo II, com “um simulacro de artefato explosivo dentro”.

Uma ocorrência foi aberta pela Polícia Legislativa. Logo depois, foi divulgada a informação de que o suposto artefato havia sido levado por integrantes do Greenpeace.

PL dos agrotóxicos

O Projeto de Lei 6299/2002, chamado de Pacote do Veneno pelos críticos, reduz as exigências para o uso de venenos na agricultura e passa a chamar os agrotóxicos de “defensivos fitossanitários”.

Defendida por deputados ligados ao agronegócio e indústrias químicas, a proposta vem sendo criticada por ambientalistas e cientistas.

Em nota, a Fundação Oswaldo Cruz divulgou afirma que o projeto negligencia a promoção da saúde e  proteção da vida.

Entre as mudanças criticadas está a centralização sobre a liberação de agrotóxicos no Ministério da Agricultura, tornando tanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quanto o Ibama órgãos meramente consultivos nessa questão.

A nota da Fiocruz chama a atenção também para a inserção pela proposta na “análise de risco”, que segundo a fundação vai permitir a liberação de produtos perigosos, que podem causas câncer, mutações e más-formações congênitas e desregular hormônios, se o risco for considerado “aceitável”.

Apesar das críticas, a proposta foi aprovada na comissão especial, nesta segunda-feira, por 18 votos a 9. Ela não precisa passar por comissões permanentes e já pode ser incluída na Ordem do Dia no Plenário.

Se aprovada, precisará passar pelo Senado e por sanção do presidente da República.

 

Leia Também

Votação do PL dos agrotóxicos é adiada mais uma vez

Ativista do Greenpeace é condenado por danificar patrimônio cultural no Peru

Greenpeace invade ruínas milenares e revolta peruanos

 

 

Leia também

Salada Verde
11 de dezembro de 2014

Greenpeace invade ruínas milenares e revolta peruanos

Mensagem de protesto contra mudanças climáticas pode ter danificado Linhas de Nazca, de 2.100 anos. Governo do Peru pretende processar ativistas.

Salada Verde
22 de maio de 2017

Ativista do Greenpeace é condenado por danificar patrimônio cultural no Peru

O austríaco Wolfgang Sadik foi condenado a 2 anos e 4 meses de prisão por danificar as linhas de Nazca, fato que ocorreu durante a COP20 em 2014

Salada Verde
21 de junho de 2018

Votação do PL dos agrotóxicos é adiada mais uma vez

Em dia tumultuado, Comissão Especial da Câmara não consegue votar, na quarta-feira (20), mudança na Lei que regula a comercialização e fiscalização de pesticidas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. Sousa santos diz:

    Bomba mesmo é essa cambada , opsss , bancada ruracista.


    1. AgroBoy diz:

      Nossa, que eco-trocadilho "original"! Ambientalista é assim, clichêzento "no úrtimo"!


      1. Everardo diz:

        Além do trocadilho, ele já vem com o modo papagaio ativado usando "ruracista". Sempre usando algo do quarteto: racista, machista, fascista, homofóbico.


  2. Everardo diz:

    Bem feito. O Greenpeace só enche o saco mesmo.


    1. Gisele diz:

      Pois é! Aqui mesmo acima tem a notícia do vandalismo deles nas milenares linhas de Nazca no Peru. São um bando de eco-xaropes