Reportagens

Crimes internacionais de Belo Monte

Diretor do filme Avatar promete mobilização contra hidrelétrica. Movimentos sociais recorrem à ONU para responsabilizar governo caso usina saia.

Redação ((o))eco ·
1 de abril de 2010 · 12 anos atrás
James Cameron com lideranças indígenas no Pará. (Foto: Amazon Watch)
James Cameron com lideranças indígenas no Pará. (Foto: Amazon Watch)

Em visita à Amazônia, o cineasta canadense James Cameron disse que em seu retorno para os Estados Unidos vai liderar uma mobilização internacional contra a usina hidrelétrica de Belo Monte, utilizando inclusive seus filmes. Ele esteve na região de Altamira para conferir a dimensão do estrago com os próprios olhos e falar com os índios. A experiência o motivou a escrever uma carta a ser entregue ao presidente Lula sobre seu contato com as populações que serão atingidas. Cameron chegou a afirmar que os recursos que o governo brasileiro vai investir numa hidrelétrica “quase inútil” são três vezes mais do que Barack Obama pretende gastar para renovar as fontes de energia dos Estados Unidos. O diretor do filme Avatar prometeu voltar ao Brasil e acompanhar a licitação para construção da usina.

Também nesta semana Belo Monte atraiu atenção internacional depois que movimentos sociais entregaram um documento recheado de denúncias sobre as irregularidades do licenciamento da usina hidrelétrica à Organização das Nações Unidas. O manifesto foi assinado por mais de 100 entidades e pretende ser o estopim para que o Brasil seja responsabilizado internacionalmente pelos crimes ambientais e violações de direitos humanos caso a usina saia mesmo do papel.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta