Reportagens

“Essa tranquilidade não se encontra em outro lugar”

Seu Germánico conta como o rio lhes dá vida e tranquilidade

Maricela Rivera ·
23 de agosto de 2012 · 9 anos atrás

Ao final da tarde, no caminho de Banhos para Shell desfilam imagens de vilarejos, montanhas, cascatas e o majestoso Rio Pastaza. Entre as paisagens, destacam pontos turísticos com ofertas para todos os gostos.  Nos chama a atenção um grande letreiro, Mirador Puerto La Amazonas. Três cachorros nos recebem, seu trato amável mostra que eles têm costume de tratar com visitantes. Nossa atenção, porém, é conquistada pela paisagem frente a nós, o grande Rio Pastaza abrindo-se espaço para a Amazônia enquanto a cordilheira se aplana. 

E foi essa paisagem a que seduziu oito anos atrás Seu Germânico Montenegro e sua esposa Meche, que decidiram estabelecer ali seu negócio e domicílio. Como militar, Germânico, nascido em Otavalo, viajou por muitos lugares do Equador, “eu em nenhum outro lado me senti assim, essa tranquilidade não se encontra em outro lugar”. Agora aposentado, seus distintivos militares estão pendurados na parede da pequena mercearia que atende Meche, que com um sorriso nos conta que é de Chone. 

Desde que eles chegaram viram que com os anos a qualidade da água foi afetada, mas existem ainda umas 20 espécies de peixes. “Nós vivemos do rio, oferecemos rafting e queremos construir uma tarabita que atravesse o Pastaza”. Qualquer coisa que aconteça rio acima afeta seu curso, “mas o rio não está contaminado, ao contrário do Rio Napo que tem poços petrolíferos perto”.

Com o braço, onde tem uma tatuagem de Jesus do Grande Poder, Germánico mostra a rota que devemos seguir. Enquanto isso Meche brinca amorosamente com o gato que não tem visto ela por uma semana. Os cachorros alegres parecem saber que vamos partir, e se reúnem ao lado de seus donos. Perto de sua rede e com um sorriso, Germânico e Meche se despedem. Boa viagem!

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta