Reportagens

Tarde demais

Um trator invadiu a praia Mole, em Florianópolis, e arrasou a vegetação das dunas, em área protegida. Autoridades e ambientalistas correm atrás do prejuízo.

Carla Lins ·
11 de fevereiro de 2005 · 17 anos atrás

Um golpe frio usando uma licença quente, um descuido dos ambientalistas e vapt-vupt: passaram um trator na restinga da área de proteção ambiental da praia Mole, no Parque Municipal da Galheta, em Florianópolis (SC).

O pedaço é pequeno, apenas mil metros quadrados, mas simbólico do descaso pela ocupação do litoral: a Mole é a mais badalada praia de capital catarinense, paraíso dos surfistas e dos naturistas, escolhida pelo jornal americano The New York Times como melhor do verão 2005 no Atlântico Sul.

O charme do local estava justamente no aspecto intocado, no selvagem. A restinga das dunas era refúgio de lagartos e outros animais menores, uma área de preservação permanente garantida por lei desde 1994.

O ataque de trator foi na manhã do dia 19 de janeiro, uma quarta-feira ensolarada, na frente de milhares de banhistas. As pessoas assistiram incrédulas e passivas ao corte de alguns pinheiros. Quando se deram conta, não tiverem tempo de reagir.

A polícia ambiental foi chamada, mas os proprietários do terreno exibiram uma licença do Ibama para cortar os pinheiros do local. O óbvio não estava escrito: vegetação rasteira de dunas é intocável.

Como a intenção dos donos era limpar a área para fazer ali um estacionamento, agiram em flagrante desrespeito à legislação ambiental. Primeiro derrubaram os pinheiros, dentro da licença – para em seguida passar o trator, fora dela.

Quando ambientalistas da Associação Verde Futuro chegaram já era tarde. A madeira estava cortada, empilhada na beira da praia, como se fosse para uma lareira. E o chão era terra arrasada, prontinha para o estacionamento, na frente do Hotel Bangalôs da Mole.

A Fatma, órgão ambiental do estado, checou a papelada e comprovou que os proprietários extrapolaram a autorização ambiental. O Ministério Público entrou em cena um pouco tarde, embargando a obra que já estava feita. Um inquérito foi aberto. O MP afirma que caso o crime ambiental seja comprovado vai exigir a recuperação da área, além multar e indiciar os proprietários.

* Carla Lins tem 21 anos e é recém-formada jornalista em Florianópolis. Esta é sua primeira reportagem.

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta