Reportagens

Derretimento de gelo já é principal fator de elevação do nível do mar

Nova estimativa mostra que derretimento de geleiras de montanha e de mantos de gelo polares domina elevação do nível do mar na última década

Observatório do Clima ·
26 de junho de 2017 · 4 anos atrás
Iceberg formado pela geleira de Jakobshavn, na Groenlândia, uma das que mais perdem gelo no mundo. Foto: Claudio Angelo/OC.
Iceberg formado pela geleira de Jakobshavn, na Groenlândia, uma das que mais perdem gelo no mundo. Foto: Claudio Angelo/OC.

A remota Groenlândia dificilmente figura na lista de preocupações dos cidadãos brasileiros. Mas moradores de cidades como Recife, Rio de Janeiro e Santos deveriam ter interesse especial pelo destino da maior ilha do mundo e do manto de gelo que a recobre. Nos últimos 25 anos, o derretimento das geleiras groenlandesas tornou-se um dos principais fatores de aceleração do aumento do nível do mar – que traz ressacas, alagamentos e prejuízo a essas cidades. Um quarto da elevação anual dos oceanos pode ser atribuída à perda de gelo naquela região do Ártico.

A conclusão é de uma nova análise sobre a elevação do nível do mar entre 1993 e 2014, publicada nesta segunda-feira por um grupo de cientistas da China, da Austrália e dos EUA.

Os pesquisadores, liderados por Xianyao Chen, da Universidade Oceânica da China, fizeram uma reanálise estatística dos principais fatores que contribuem para a subida global do oceano. Eles concluíram que o derretimento de gelo sobre os continentes, que em 1993 respondia por cerca de 40% da variação no nível do mar, passou a ser o fator dominante de mudança, com 60% da contribuição em 2014.

Grande parte dessa fatia (25%) vem da perda de glaciares de montanhas, como os dos Alpes e dos Andes. Mas a maior surpresa veio da contribuição das grandes massas de gelo da Terra: a Groenlândia passou de 5% a 25% do total de água em excesso aportada aos oceanos nesse período. E a Antártida, cuja contribuição para o nível do mar é positiva, mas rodeada de incertezas, se mantém mais ou menos constante, com 10% da culpa.

O grupo de Chen é integrado pelo australiano John Church, da Universidade de Nova Gales do Sul, um dos maiores especialistas do mundo em medição do nível do mar e coordenador do capítulo que trata desse assunto no último relatório do IPCC, o painel do clima da ONU, publicado em 2013. Curiosamente, o novo estudo ajuda a esclarecer lacunas deixadas pelo IPCC na ocasião.

Estimar o nível do mar e projetar sua variação no futuro é um dos trabalhos mais difíceis da ciência do clima. Em 2001, por exemplo, o IPCC estimou um máximo de 88 cm de elevação em 2100 no pior cenário de emissões de carbono. Em 2007, esse valor havia caído para 59 cm, para subir de novo para 98 cm em 2013.

Tanta variação se deve à dificuldade de fechar um balanço acurado das contribuições anuais de cada fator e de projetar como esses fatores, em especial os mantos de gelo, se comportarão no futuro. Frequentemente os modelos são mais conservadores que as observações.

“ O mar mais quente se expande e sobe de nível, como a água numa chaleira – a chamada expansão térmica é um dos fatores principais de elevação do nível do oceano.”.

Em 2005, por exemplo, cientistas descobriram que um erro sistemático em equipamentos usados para medir a temperatura do oceano vinham fazendo com que os modelos subestimassem o aquecimento do mar. O mar mais quente se expande e sobe de nível, como a água numa chaleira – a chamada expansão térmica é um dos fatores principais de elevação do nível do oceano. Como resultado, as projeções de elevação não casavam com as observações.

Os altímetros a laser a bordo de satélites, que vêm observando o oceano desde 1992 e medem sua subida com precisão milimétrica, também padeciam de um erro sistemático: nas últimas duas décadas eles pareciam não detectar a aceleração observada em décadas anteriores. Ao contrário, um estudo publicado em 2014 mostrava uma desaceleração, de 3,2 milímetros por ano em 1993 para 2,8 milímetros por ano em 2014.

A charada foi resolvida em 2015: as medições de satélite, em especial até o final dos anos 1990, não levavam em conta os ajustes que precisavam ser feitos devido ao discreto e progressivo afundamento de alguns continentes. Quando esse ajuste foi feito, os dados de satélite começaram a casar com as observações.

De posse dessa informação, Chen e colegas conseguiram estimar que a subida do nível do mar acelerou nos últimos 25 anos – de 2,2 mm/ano em 1993 para 3,3 mm/ano em 2014. E tome mais uma correção ao IPCC.

Em 2013, o painel do clima estimou que a principal fonte da subida do oceano era a expansão térmica e que a contribuição do gelo polar era uma preocupação mais para o futuro. O novo estudo mostra que, na verdade, a expansão térmica ela responde por apenas 30% da elevação total. Isso tende a crescer nas próximas décadas, mas, por enquanto, quem dá as cartas no jogo é o gelo. E o gelo vai mal.

A Groenlândia está emagrecendo a olhos vistos: suas geleiras lançavam 34 bilhões de toneladas de água no mar entre 1992 e 2001, e passaram a 215 bilhões entre 2002 e 2011. Para a Antártida há muitas incertezas, mas a porção oeste do seu manto de gelo – que guarda 10% da água doce do planeta e pode elevar os oceanos em mais de 3 metros se derreter – tem perdido gelo também de forma acelerada e, segundo alguns estudos, irreversível.

“A aceleração sugerida (…) ilumina a importância e urgência de mitigar as mudanças climáticas e de formular planos de adaptação costeira para amenizar os impactos da elevação do nível do mar”, escreveram os autores.

 

logo Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

Leia Também 

Mundo pode bater 1,5ºC em uma década

O que o iceberg gigante tem a ver com você?

Unesco inicia resgate do gelo da Terra

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Reportagens
13 de março de 2017

Unesco inicia resgate do gelo da Terra

Amostras de geleiras de montanhas que derreterão nas próximas décadas serão guardadas em caverna na Antártida; objetivo é preservar informações sobre o clima da Terra no passado

Reportagens
9 de janeiro de 2017

O que o iceberg gigante tem a ver com você?

Um pedaço de gelo mais de três vezes maior que a cidade de São Paulo está para se soltar de uma plataforma glacial na distante Antártida. Saiba por que você deveria se preocupar com isso

Reportagens
10 de maio de 2017

Mundo pode bater 1,5ºC em uma década

Estudo diz que objetivo mais ambicioso do Acordo de Paris de estabilização de temperatura global pode ser perdido em 2026 caso o Pacífico entre na fase quente de seu ciclo natural

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 11

  1. Mariana diz:

    Muito obrigado pelo artigo e pelo seu trabalho Cláudio Ângelo. Quando comentários como a maioria dos acima fizerem vir o desespero, lembre-se que a "negação" é o primeiro sintoma do luto, e não há como não se sentir em luto pelo que está acontecendo com o planeta… embora fosse mais efetivo que as pessoas deixassem o luto para trás e começassem a agir, como você, Claudio Ângelo, está fazendo.


  2. Esquimó diz:

    O melhor é o autor fazendo propaganda do próprio livro! Kkkkkkk


    1. Tenório diz:

      Essa foi mesmo a melhor… como diz o caboclo: Se ninguém gava, Zeca gava… kkkkkkk


  3. Claudio Angelo diz:

    Flavio, já que você deu uma dica de leitura, deixe eu lhe indicar meu livro "A Espiral da Morte", que trata extensamente desse assunto. Nos capítulos 7 e 8 eu discuto o papel do sol e das alterações orbitais da Terra nas variações climáticas do passado. Tudo discutido com paleoclimatólogos de verdade, gente que publica extensamente sobre o assunto — não leigos como Patrick Moore. A questão da era do gelo próxima (por "próxima" entenda daqui a centenas de anos) foi analisada e descartada pelos pesquisadores. A estabilidade do Holoceno poderia durar mais 15 mil ou 20 mil anos, não fosse a nossa interferência. "Fontes alternativas" não ajudam muito nesse caso, porque só quem pesquisa paleoclima pode falar com propriedade sobre paleoclima.


    1. Flavio Zen diz:

      Claudio – vergonha alheia – já que está se expondo em uma rede social e se propõe a contribuir para o debate, a primeira coisa que deve fazer antes de diminuir alguém, é se informar sobre seu curriculo. Ao que se consta, Patrick Moore não é exatamente um leigo. para seu conforto por favor acesse http://ecosense.me/bio/ , seguramente há outras fontes e ao que se consta é uma pessoa extremamente acessivel, de modo que pode entrar pessoalmente em contato com ele.

      Como que revise seus conceitos sobre o conhecimento cientifico nesta área, posto que não há nenhum consenso, ao contrário, há de fato um assombroso desenvolvimento na produção de artigos minimizando o fator antropogênicos, reduzido a escalas locais e microambientes, e ao sol para escalas globais. Esta é a razão do levantamento apontado na fonte anterior que contabiliza desde 2014, mais de 400 artigos científicos que afirmam uma forte ligação Sol-Clima. 2017 – 80 documentos, 2016 – 133, 2015 – 95 e 2014 – 93 documentos.

      Deste modo, fica complicado abordar sua obra com a confiança necessária, dada a parcialidade policamente correta evidente. Deste modo, como sabemos da pressão ideológica imposta tanto na academia como nas demais áreas do 3º setor, vale a pena refletir sobre o consenso que coloca , observando o drama enfrentado pelo Professor Ricardo Augusto Felicio da USP . Acesse http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR… e compartilhe.


  4. Flavio Mello diz:

    Pois é Mauricio, Complicadissíma esta torcida. Aparentemente o que se espera mesmo é uma nova era do gelo e a confirmação da relevancia do sol no clima e não da atividade como manipulação política. Vale a pena pesquisar fontes alternativas e sobretudo ouvir o Patrick Moore sobre o tema.
    Dica de leitura: https://sandcarioca.wordpress.com/2017/06/26/mais


  5. arthur dent diz:

    Mauricio Reynaldo é um acéfalo que acredita em teorias conspiratórias e na pós-verdade que define os tempos atuais. 95% dos cientistas concordam com os efeitos antropogênicos sobre o clima. Os 5% é que estão certos. Parabéns.


    1. Carlos L. Magalhães diz:

      "Acéfalo" é grosseria rasteira e desnecessária, própria dos que não têm argumentos melhores.


  6. Mauricio Reynaldo diz:

    Esta reportagem é uma falácia, o planeta está iniciando uma nova era glacial como sabem os cientistas climatologistas, geólogos.
    Como admitir o efeito estufa se a atmosfera é rarefeita e gelada em suas camadas superiores???


    1. Claudio Angelo diz:

      Maurício, onde foi que você leu que o planeta está iniciando uma nova era glacial? Compartilhe aqui a fonte, por favor.
      O efeito estufa não tem nada a ver com a atmosfera ser "rarefeita"em suas camadas superiores. E, curiosamente, o fato de ela ser "gelada" na estratosfera é justamente uma evidência do efeito estufa. Parece contraintuitivo, mas eu explico: se o Sol, por exemplo, estivesse aumentando a quantidade de radiação que chega ao planeta, seria de esperar um aquecimento das camadas superiores da atmosfera. Mas o que os cientistas notam é que a estratosfera tem ficado cada vez mais fria — isso se deve a "alguma coisa" segurando o infravermelho (que de outra forma tenderia a se dissipar para o espaço) nas camadas mais baixas da atmosfera. Essa "alguma coisa" são os gases de efeito estufa.


    2. Carlos L. Magalhães diz:

      Mauricio, você está certo. Hoje já se sabe que o homem em nada influi nos ciclos climáticos. Infelizmente, há uma patrulha feroz de todos os lados, e O ECO joga do lado deles, não admitindo sequer um debate e muito menos publicando qualquer matéria que contrarie o "efeito estufa" e o aquecimento global antropogênico politicamente correto…