Salada Verde

O sumiço das borboletas

Monitoramento de borboletas na Grã Bretanha registra maior declínio do inseto na história. Aquecimento global é reconhecido como fator agravante após anos de desmatamento e crescimento urbano.

Salada Verde ·
27 de abril de 2009 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: butterfly-conservation.org
Foto: butterfly-conservation.org
Em tese, o aumento das temperaturas na maior parte da Grã-Bretanha poderia beneficiar as borboletas do sul para colonizarem porções de terra mais ao norte. Algumas delas, na verdade, já estão migrando neste sentindo, inclusive espécies exóticas que vêm se adaptando ao novo clima. Mas a maioria das outras terá outro destino. Novas doenças estão destruindo as árvores nativas, flores e insetos dos quais as borboletas dependem. Alguns registros já dão conta da fragilidade de borboletas ao ataque de parasitas, que atrapalham seu processo de metamorfose. Para se ter uma idéia, a população das Aglais urticae caiu 45% em 2008 se comparada ao verão de 2007, apesar desta espécie estar migrando cada vez mais para o norte da Europa. De acordo com Tom Brereton, diretor do serviço de monitoramento de borboletas da organização Butterfly Conservation, tudo está ligado ao fator clima. Quando o clima transformar os atuais habitats das borboletas, elas não terão mais para onde ir porque tudo está já muito fragmentado. Como as borboletas são consideradas excelentes bioindicadoras, se elas já estão sofrendo tanto com as mudanças climáticas globais, muito provavelmente diversas outras espécies de insetos seguem o mesmo destino.

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta