Salada Verde

Migrações e disputas estaduais

Diretor do Greenpeace alerta para guerra entre estados brasileiros se forem aprovadas propostas ruralistas para o Código Florestal.

Salada Verde ·
10 de novembro de 2009 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto:  Lunaé Parracho / Greenpeace
Foto: Lunaé Parracho / Greenpeace

Para ele, estados que fixarem índices legais de preservação baixos se tornarão mais “atrativos” ao modelo tradicional de produção, fundamentado no desmatamento da maior área possível em cada propriedade.

“Essas disputas podem trazer migrações e perdas comerciais. Por isso o tema das florestas não é de interesse local, precisa de regulação federal, assim como ocorre com as questões tributárias”, ressaltou.

O ativista também lembra que a legislação brasileira defende ao menos 25% de florestas nas propriedades rurais desde 1934, para “produção de água e reserva de madeiras”. Por isso critica os ataques frequentes de quem ainda vê nas reservas legais um entrave à produção no campo. “O Brasil não pode inovar nesse setor? Temos que copiar de fora só o que oferece menos proteção ambiental?”.

“Precisamos quebrar a capa dura de interesses atrasados defendidos por parte do setor ruralista e trabalhar com interesses de longo do prazo do país”, completou.

Saiba mais:
Anistia é com Carlos Minc
Incongruências ruralistas
Um código com 111 anos de desconversa
Código foi feito para agricultura
A Ciência e a verborragia ruralista


Leia também

Notícias
23 de maio de 2022

Projeto militar para Amazônia quer fim de restrições em áreas de interesse do agro e da mineração

Chamado de “Projeto de Nação”, plano foi anunciado na última semana por três institutos militares. Proposta para Amazônia repete o “ocupar e integrar” dos anos 1970

Colunas
23 de maio de 2022

Todo dia é “Dia do Fogo” na Amazônia

É preciso parar o desmatamento e restaurar a biodiversidade perdida com queimadas e abertura de novas fronteiras agrícolas

Reportagens
23 de maio de 2022

Governo não fechou 645 lixões, como afirma Bolsonaro

Cruzamento de dados oficiais e consulta direta a prefeituras mostram ser falso principal anúncio da “agenda ambiental urbana” do governo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta