Salada Verde

Reajustes para o Cerrado

Governo admite que dados sobre desmatamento para o bioma divulgados em setembro incluiam destruição antiga. Revisão permite mais ousadia em cortes de emissões, diz pesquisadora.

Salada Verde ·
27 de novembro de 2009 · 15 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: Aldem Bourscheit
Foto: Aldem Bourscheit

A taxa anual de desmatamento no Cerrado (foto) entre 2002 e 2008 foi de aproximadamente 14 mil quilômetros quadrados (Km2) e não de 21 mil Km2, como anunciou com o ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) em 10 de setembro deste ano. Isso porque parte da degradação registrada para o período aconteceu, na verdade, antes de 2002.

O novo índice foi calculado também pelo Centro de Sensoriamento Remoto do Ibama e validado por órgãos como Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Embrapa, Funcate e Laboratório de Processamento de Imagens da Universidade Federal de Goiás. A checagem mostrou que no período houve um desmatamento de 85.075 km2 e não de 127.564 km2, como antes informado. A diferença é de 33%.

Assim, as perdas anuais de Cerrado deixam de ser quase que duplamente superiores às médias registradas na Amazônia, mas sem mantêm elevadas para uma região extremamente fragmentada e alvo do avanço da fronteira agrícola. As emissões de gases-estufa pela degradação do Cerrado a cada ano também encolheram, mas o total emitido se mantém, já que as perdas totais do bioma ainda estão próximas dos 48%, como adiantou O Eco no dia primeiro de setembro. Se for somada vegetação secundária, aquela que cresce após o desmatamento, o índice chega a 51,2%. A taxa de 39% de “conversão” do Cerrado apontada pelo governo em 2006 foi subestimado.

“Os dados revisados seguem mostrando grande perda anual de vegetação, ao mesmo tempo que permitem que o governo seja mais ousado na meta anunciada para redução de emissões do Cerrado, de 40% até 2020. Isso pode ocorrer sem prejuízo à agropecuária, que precisa ganhar em eficiência e ampliar a recuperação e uso de áreas degradadas. E, tão importante quanto tudo isso, é preciso definir a trajetória para cumprimento das metas para o Cerrado, uma curva apoiada por políticas públicas para a redução da degradação”, ressaltou Mercedes Bustamante, do Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília. (Aldem Bourscheit)

Saiba mais:
Em dívida com o Cerrado
Cerrado pela metade

Confira a nota oficial sobre a revisão dos dados para o Cerrado.



Leia também

Análises
19 de julho de 2024

Transespinhaço: a trilha que está nascendo na única cordilheira do Brasil

Durante 50 dias e 740 quilômetros a pé, testei os caminhos da Transespinhaço em Minas Gerais, de olho nos desafios e oportunidades para esta jovem trilha de longo curso

Notícias
19 de julho de 2024

Indústria da carne age para distrair, atrasar e inviabilizar ação climática, diz relatório

Trabalho de organização europeia analisou 22 das maiores empresas de carne e laticínios em quatro continentes

Salada Verde
19 de julho de 2024

Amazônia é mais destruída pelo consumo nacional do que pelas exportações

Consumo e economias das grandes cidades do centro-sul são o principal acelerador do desmatamento da floresta equatorial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.