Salada Verde

Conservadoras de carbono

Publicação da IUCN  chama a atenção dos líderes reunidos a Copenhague para a importância de se criar e manter áreas protegidas para reforçar combate às mudanças globais do clima.

Salada Verde ·
9 de dezembro de 2009 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Parece Amazônia, mas é parte da floresta tropical no Gabão (África). Foto: Martin Harvey / WWF
Parece Amazônia, mas é parte da floresta tropical no Gabão (África). Foto: Martin Harvey / WWF

Além de guardar o gás na vegetação que mantêm, as áreas protegidas servem como redutoras de impactos climáticos e desastres, como enchentes, deslizamentos de terra e tempestades. Também prestam serviços a quem vive no meio rural ou nas cidades, fornecendo água para produção ou uso humano, regulando o clima, formando solos e mantendo sua fertilidade, abrigando diversidade biológica e controlando pragas e doenças.

Por tudo isso, e também para compor e reduzir custos das ações nacionais de combate às mudanças do clima, as entidades envolvidas no lançamento do livro Soluções Naturais: áreas protegidas ajudando as pessoas a lidar com as mudanças climáticas pedem a manutenção e a ampliação da rede de áreas protegidas globais, hoje cobrindo cerca de 14% do território mundial.

“Os líderes mundiais precisam reconhecer que criar e manter adequadamente as áreas protegidas é um investimento na segurança de suas comunidades. A rede global de áreas protegidas precisa de apoio financeiro para sua máxima eficiência e ampliação”, afirmou Alexander Belokurov, gerente de Conservação do WWF Internacional.

Confira a publicação aqui.

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta