Salada Verde

Biodiversidade pampeana

Projeto de entidades pública e privada vasculhará espécies de répteis e anfíbios no bioma mais austral do país.

Salada Verde ·
3 de março de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Raros: lagartixa Homonota uruguayensis, a cobra-coral Micrurus silviae e o lagarto Stenocercus azureus. fotos: Marcio Borges Martins
Raros: lagartixa Homonota uruguayensis, a cobra-coral Micrurus silviae e o lagarto Stenocercus azureus. fotos: Marcio Borges Martins

Muita gente ainda vê o Pampa como um grande gramado pontuado aqui e acolá por pequenos aglomerados florestais. Mas é preciso refinar o olhar sobre o mais austral dos biomas brasileiros. Com diminutos aportes em pesquisas se comparado com outras regiões do país, sua verdadeira riqueza em espécies animais e vegetais ainda é uma incógnita. Mas agora, sob coordenação do biólogo Márcio Borges Martins, um projeto ligado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul e apoiado pela Fundação O Boticário vasculhará as espécies de répteis e anfíbios do Pampa.

“O bioma não é tão pobre nem tão homogêneo como se imaginava. Há uma diversidade escondida na região e muitas espécies ainda são desconhecidas. Queremos identificar quais as áreas de maior riqueza. Percebemos que há uma série de espécies ainda não identificadas e as conhecidas são pouco estudadas. Além disso, não conhecermos a distribuição destas espécies no bioma”, explica o pesquisador, em nota da fundação.

Os dados levantados no trabalho identificarão de forma mais precisa áreas prioritárias para a criação de unidades de conservação. Hoje, menos de 0,5% do bioma está em unidades de conservação de proteção integral, enquanto seus remanescentes são pequenos e fragmentados.

Necessitando de calor e áreas abertas para sobreviver, répteis e anfíbios são especialmente afetados por “mudanças na paisagem”, como as provocadas no Pampa pelo plantio desregrado de lavouras de árvores exóticas para produção de celulose e papel.

Leia também

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Treep diz:

    Vejo como de extrema importância a preservação dessas areas,
    o turismo agradece e deve ser feito de forma consciente.
    Não sei o que é melhor, mas com o governo atual, municipalizar talvez não seja tão ruim , desde que seja com leis próprias que garantam manter preservado e fiscalizado.