Salada Verde

As reservas que se cuidem

Decreto de Lula autoriza estudos de viabilidade de hidrelétricas dentro de unidades de conservação. Depois de prontos, quem vai segurar as usinas?

Salada Verde ·
14 de abril de 2010 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Usinas previstas nos PACs. Clique para ampliar
Usinas previstas nos PACs. Clique para ampliar

O presidente Lula sancionou nesta semana o decreto 7.154/2010 (clique para ler), que vai abrir de vez as portas das áreas protegidas brasileiras à Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Agora, poderão ser autorizados estudos de potencial hidrelétrico no interior de todas as unidades de conservação. E no caso das de uso sustentável, como reservas extrativistas, a instalação de sistemas de transmissão e distribuição de energia poderá ser, de cara, concedida. A determinação servirá para sacramentar em especial os interesses de construção de hidrelétricas previstas no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC 2) que têm sido ‘atrapalhadas’ por unidades de conservação em seu caminho. Exemplos não faltam.

O Parque Nacional dos Campos Amazônicos é forte candidato a perder a briga contra a instalação da usina hidrelétria de Tabajara, afetando seus limites. Unidades de conservação estaduais e federais no entorno do rio Tapajós, no sul do Pará, também passam a ser ainda mais ameaçadas pela sequência de usinas chamadas de “plataforma” pelo governo – acreditando, inocentemente, que sua instalação no meio das áreas mais preservadas da floresta não acarretará em pressões por desmatamento, abertura de estradas e adensamento demográfico.

“Viabilidades hidricas no PAC 2”

O PAC 2 prevê 10 usinas plataformas, com potencial de geração de 14.991 MW, entre as quais UHE Chacorão, Cachoeira dos Patos, Jardim do Ouro, Jamanxim, Jatobá, São Luiz do Tapajós, Cachoeira do Caí, todas no Pará. Além delas, há previstas mais 44 usinas convencionais (32.865 MW), incluindo UHE Foz do Apiacás, localizada no Parque Nacional do Juruena (MT/AM), UHE São Manoel e UHE Teles Pires, perigosamente próximas às Terras Indígenas Munduruku e Kayabi. O mapa de viabilidades hídricas do PAC 2 é de deixar qualquer um assustado. O governo acha viável construir no Salto Augusto, queda mais exuberante do Parque Nacional do Juruena, no Salto Utiariti, uma das maiores jóias dos índios parecis na terra indígena de mesmo nome, em Mato Grosso, além de cachoeiras nos territórios Escondido, Erikbaktza e Apiaka-Kayabi.

As autorizações para ingresso de técnicos do setor elétrico em unidades de conservação federais serão expedidas pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio). O interessado precisa comprovar que tem registro ativo na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e apresentar um plano de trabalho para a área, incluindo tempo de realização dos estudos. Para sair com a autorização em mãos, é preciso mostrar que as pesquisas não vão descaracterizar ou pôr em risco os atributos da unidade de conservação, além de estarem previstas medidas de mitigação e restauração. Mas se a intenção for fazer estudos hidrelétricos em Áreas de Proteção Ambiental (APAs) e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), sequer este aval será necessário. 

Segundo o Instituto Chico Mendes, os pedidos de pesquisa deverão ser solicitados através do Sisbio. As unidades de conservação emitirão pareceres sobre a solicitação, mas a homologação caberá à Diretoria de Biodiversidade, em Brasília. Os detalhes serão especificados nos próximos dias numa instrução normativa do órgão. 

Para o governo, a preocupação com os impactos de “simples” pesquisas de potencial não tem nada a ver com as pressões econômicas e políticas que ameaçam concretamente as unidades de conservação brasileiras. Por enquanto, o interior dessas áreas está salvaguardado de obras de grande impacto por força do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Mas, depois que estudos de viabilidade econômica para instalação das usinas hidrelétricas previstas nos PACs estiverem prontinhos, alguém tem alguma dúvida de que a legislação que protege as unidades de conservação será a próxima à degola? (Andreia Fanzeres)

Saiba quais são as hidrelétricas previstas no PAC 2.

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta