Salada Verde

Ibama dá sinal verde para a construção do Estaleiro EISA

Licença prévia foi concedida após mudança do local onde será erguido o empreendimento. Órgão sofreu ameaças ao negar a primeira licença.

Redação ((o))eco ·
17 de julho de 2013 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Pontal do Coruripe, antigo local onde seria erguido o estaleiro EISA. Ibama determinou a mudança no local do empreendimento para dar a licença. Foto: Tissiana Sousa /Flickr
Pontal do Coruripe, antigo local onde seria erguido o estaleiro EISA. Ibama determinou a mudança no local do empreendimento para dar a licença. Foto: Tissiana Sousa /Flickr

Após mudança do local onde será erguido o Estaleiro EISA, o presidente do Ibama, Volney Zanardi Júnior, assinou na segunda-feira (15) a Licença Prévia para o Estaleiro EISA, que será construído no município de Coruripe, em Alagoas. No ano passado, a licença foi negada, pois o local escolhido para a instalação do estaleiro não atendia  aos requisitos.

Primeiramente pensado para ser instalado no Pontal de Cururipe, o Ibama sugeriu outro local, no mesmo município, com menos interferência na atividade extrativista no manguezal e na atividade pesqueira da região. O local escolhido foi o Miaí de Cima. 

Outras mudanças no projeto original, como o aproveitamento do espaço disponível para o pátio industrial e a redução no volume de dragagem – de 3,5 milhões m³ de sedimentos para 770 mil m³ –, influenciaram na decisão do órgão ambiental.

O governo do estado comemorou a liberação da licença: “Alagoas venceu e os alagoanos venceram (…). Nunca deixei de acreditar na vinda do estaleiro para o Estado. Essa realidade está se concretizando a cada dia para o futuro dos alagoanos”, afirmou o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB).

A liberação do estaleiro EISA esteve no centro de polêmicas envolvendo políticos em Brasília. Com a recusa da licença prévia, parlamentares da bancada de Alagoas ameaçaram atrapalhar projetos em andamento no Congresso de interesse do órgão ambiental. Entre os parlamentares estava o atual presidente do Senado, Renan Calheiros.

“Nós sempre ajudamos, eu sempre tive boa vontade, mas, enquanto o Ibama não resolver esse problema de Alagoas, sinceramente eu não vou ter com o Ibama a mesma boa vontade que eu sempre tive”, disse Calheiros, na época.

A ameaça parece ter ficado para trás. A construção do Estaleiro terá um impacto de criação de 10 mil empregos diretos no terceiro estado mais pobre da federação.

Leia também

Reportagens
26 de outubro de 2021

Assim como desmatamento, exploração madeireira avança pelo norte de Rondônia

Divisa entre RO, MT e AM é conhecida como a “nova fronteira do desmatamento”. Do total explorado no estado, em ao menos 5 mil hectares e retirada de madeira foi feita de forma ilegal

Reportagens
26 de outubro de 2021

Banco Mundial empresta dinheiro a estados do Brasil em troca da conservação da Amazônia

Instituição financeira decide “fincar pé” na questão ambiental e impõe medidas de combate ao desmatamento em financiamentos para Mato Grosso e Amazonas, explica o executivo Renato Nardello

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta