Salada Verde

Relatório aponta água contaminada, após despejos da Hydro Alunorte

O Instituto Evandro Chagas (IEC) afirma que as águas apresentam alto nível de contaminação por metais tóxicos, com grau acima do que a legislação brasileira permite

Sabrina Rodrigues ·
29 de março de 2018 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
No dia 18 de fevereiro, a população do entorno da refinaria Hydro Alunorte denunciou a empresa por contaminação das águas na região de Barcarena (PA). Foto: Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) do Pará.

O Instituto Evandro Chagas (IEC/MS) divulgou, na tarde de quarta-feira (28), o segundo relatório técnico referente aos riscos ambientais próximos à operação da mineradora Norsk Hydro Alunorte, em Barcarena, na região metropolitana de Belém. Os resultados são preocupantes. O documento apontou várias irregularidades e afirma que os riscos para a saúde foram bem maiores do que se imaginava.

O relatório intitulado “Avaliação Preliminar dos Impactos Ambientais Referente ao Transbordo e Lançamentos Irregulares de Efluentes de Lama Vermelha na Cidade de Barcarena, estado do Pará” traz o resultado das análises de amostras de água coletada, entre os dias 25 de fevereiro a 08 de março, no Rio Murucupi, em vários pontos do Rio Pará, nos rios Arienga, Arapiranga, Guajará do Beja, Igarapés Curuperê, Dendê e um igarapé que é afluente do Tauá.

O Instituto Evandro Chagas afirma que as águas do rio Murucupi apresentam alto nível de contaminação por metais tóxicos, como alumínio, ferro, arsênio, cobre, mercúrio e chumbo acima do que a legislação brasileira permite, não podendo ser usadas para consumo, recreação e pesca, até que se façam estudos de ecotoxicidade na região. O Instituto recomenda ainda que água potável continue sendo disponibilizada para as comunidades do Bom Futuro, Jardim dos Cabanos, Burajuba e Vila Nova, tendo em vista o risco para a saúde humana.

O Instituto confirma que todos os elementos tóxicos encontrados nos efluentes da empresa Hydro também são encontrados nas águas do rio Murucupi.

No dia 15 de março, a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) do Pará realizou auto de infração contra a refinaria, pelo desvio no sistema de drenagem de água pluvial em uma área de armazenamento de carvão e pelo lançamento de rejeitos no rio Pará sem qualquer tipo de tratamento.

Ainda segundo o relatório, o texto alerta que nos resquícios de efluentes dentro do canal auxiliar denominado como canal antigo foi encontrado níveis muito elevados de manganês, indicando que o lançamento de qualquer material que passasse por ali e sem qualquer tratamento representa um risco de danos aos ecossistemas aquáticos e à saúde humana.

O município de Barcarena (PA) foi atingido por fortes chuvas ocorridas nos dias 16 e 17 de fevereiro e no dia seguinte a população percebeu a presença de lama vermelha nas águas na região. A Hydro Alunorte passou dias negando o fato até que o laudo do Instituto Evandro Chagas (IEC) confirmou a contaminação por chumbo e outros metais nas águas do município. Até agora, a empresa foi multada em R$ 20 milhões pelo Ibama.

Saiba Mais

“Avaliação Preliminar dos Impactos Ambientais Referente ao Transbordo e Lançamentos Irregulares de Efluentes de Lama Vermelha na Cidade de Barcarena, estado do Pará”

 

Leia Também

Governo do Pará autua Hydro Alunorte por novo vazamento

Hydro Alunorte assume que despejou água em rio Pará, mas nega contaminação

MP pede embargo de mineradora por despejo de metais pesados em rio no Pará

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
26 de fevereiro de 2018

MP pede embargo de mineradora por despejo de metais pesados em rio no Pará

Empresa é acusada de utilizar tubulação clandestina para jogar rejeitos nas nascentes do rio Muripi, em Barcarena. Laudo confirma contaminação de chumbo e outros metais

Salada Verde
13 de março de 2018

Hydro Alunorte assume que despejou água em rio Pará, mas nega contaminação

Após reconhecer que usou o Canal Velho para liberar água da chuva, refinaria afirma que “não há indícios de impacto ambiental negativo causado pela liberação”

Salada Verde
19 de março de 2018

Governo do Pará autua Hydro Alunorte por novo vazamento

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade relata desvio no sistema de drenagem de água de chuva que passou por uma área de armazenamento de carvão, sem tratamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta