Salada Verde

Seminário discute políticas públicas na área ambiental

O Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ promove um debate, nesta quinta-feira, sobre a agenda socioambiental da biodiversidade. Evento será transmitido pelo Youtube

Daniele Bragança ·
18 de maio de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ está promovendo debates dentro de um guarda-chuva intitulado “O que será o Amanhã”, série onde se discute temas relevantes para o presente e para o futuro, que vai da pandemia a energia, sustentabilidade e cultura. Nesta quinta-feira (20), a Cátedra de Meio Ambiente Bertha Becker (CBAE/FCC/UFRJ)/Diálogos Sustentáveis (EICOS/IP e PED/IE/UFRJ)” fará o 4º seminário da série, com o tema “A agenda socioambiental da biodiversidade:  Fluxos e contrafluxos em políticas públicas”.

O evento será transmitido ao vivo pelo Facebook e Youtube

Estarão na mesa os especialistas Ana Paula Leite Prates, Iara Vasco Ferreira, Cláudio C. Maretti, Fabio Scarano, com moderação da professora Marta de Azevedo Irving.   

A agenda socioambiental da biodiversidade:  Fluxos e contrafluxos em políticas públicas

Data: 20/05/2020, das 9h ao 12h

Biografia dos debatedores

Ana Paula Leite Prates – Engenheira de Pesca, com Doutorado em Ecologia, além de Pós-doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social. Trabalha há mais de 27 anos com políticas públicas para a conservação da biodiversidade costeira e marinha. É professora do Programa de Mestrado e Doutorado Profissional em Biodiversidade em Unidades de Conservação – Jardim Botânico do Rio de Janeiro e Conselheira da Liga das Mulheres pelos Oceanos.

Iara Vasco Ferreira – Graduada em Ciências Sociais com Doutorado em Ciências Humanas. É pesquisadora do Núcleo Transdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e membro especialista da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). Tem experiência na gestão de políticas públicas de conservação da biodiversidade, unidades de conservação e de proteção e desenvolvimento sustentável de povos indígenas e comunidades tradicionais. 

Cláudio C. Maretti – Geólogo com Doutorado em Geografia Humana. Além de atuar como investigador, consultor e voluntário, desenvolve projeto de pós-doutorado sobre conservação colaborativa em áreas protegidas no Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP). Dentre outras atividades, é vice-presidente da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da UICN para América do Sul, Foi presidente e diretor de Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Fabio Scarano – Professor de Ecologia da UFRJ, com Doutorado em Ecologia. É membro da Linnean Society e atuou nos painéis da ONU para o clima (IPCC) e biodiversidade (IPBES). Teve passagens por instituições como CAPES-MEC, Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Conservation International e Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Foi agraciado com o Prêmio Jabuti pelos livros Biomas Brasileiros: Retratos de um País Plural (2012) e Mata Atlântica: Uma História do Futuro (2014).

O debate será conduzido pela professora titular Marta de Azevedo Irving (CBAE/FCC/UFRJ; EICOS/IP/UFRJ; PPED/IE/UFRJ e INCT/PPED/CNPq).

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta