Salada Verde

Três guardas-parques foram mortos no Parque Nacional de Virunga

Os funcionários foram mortos por integrantes de uma milícia na manhã de segunda-feira (14). O crime ocorreu durante uma patrulha de rotina no Parque

Sabrina Rodrigues ·
16 de agosto de 2017 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O assassinato dos três guardas eleva para oito o total desses funcionários mortos, no exercício da profissão, só este ano. Foto: Cody Wellons.
O assassinato dos três guardas eleva para oito o total desses funcionários mortos, no exercício da profissão, só este ano. Foto: Cody Wellons.

 

Três guardas-parques foram mortos no Parque Nacional Virunga, na República Democrática do Congo. Segundo nota divulgada pelo Parque, os funcionários foram assassinados no exercício da função por integrantes da milícia Mai-Mai nas primeiras horas da segunda-feira (14). Mai-Mai, também conhecida como Forças de Auto-Defesa Populares), é uma milícia formada por congoleses que lutam por unidade nacional e contra as tropas de Ruanda e Uganda.

O Congo sofre um conflito étnico que já vitimou dezenas de mortos com a guerra que existe entre as etnias Nande e Hutus.

O crime ocorreu durante uma patrulha de rotina. Os guardas-parques Charles Paluku Syaira, Jonas Paluku Malyani e Pacifique Musubao Fikirini deixam esposas e filhos. Em nota, a administração do Parque lamenta as mortes dos três funcionários e oferece total apoio às famílias.

O Parque Nacional de Virunga foi criado em 1925, pelo príncipe Albert I da Bélgica, por isso, inicialmente, o parque recebeu o nome de Parque Nacional Albert. A unidade de conservação foi o primeiro parque nacional a ser estabelecido no continente africano. Com 7.800km² de área, o parque foi fundado, principalmente, para proteger os gorilas de montanha que vivem nas florestas do Maciço de Virunga. Em 1969, ele foi renomeado para Parque Nacional Virunga.

A administração do Parque informa que o incidente não afetou as atividades de turismo da unidade de conservação.

Número de guarda-parques mortos aumenta

O assassinato dos três guardas eleva para oito o total desses funcionários mortos, no exercício da profissão na área protegida, só este ano. O Parque Nacional de Virunga informa ainda que mais de 160 guarda-parques sacrificaram suas vidas protegendo a unidade de conservação nos últimos 20 anos.

 

Leia Também

IUCN lamenta a morte de dois guardas-parques no Congo

IUCN lamenta a morte de dois guardas-parques no Congo

Aumenta o número de guardas-florestais assassinados no mundo inteiro

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
8 de dezembro de 2016

Aumenta o número de guardas-florestais assassinados no mundo inteiro

Hoje, o maior risco vem de criminosos organizados e bem armados envolvidos no contrabando de madeira. Só no ano passado, 185 indígenas, ativistas e guardas-florestais foram mortos

Notícias
24 de abril de 2017

IUCN lamenta a morte de dois guardas-parques no Congo

Criminosos mataram dois guardas-parques em ação em que foram flagrados cortando um elefante recém-abatido

Salada Verde
8 de maio de 2017

Dois guardas-parques são mortos em área protegida na Libéria

Dois guardas-parques foram mortos na Libéria, na África Ocidental, há 11 dias, após os trabalhadores sofrerem uma emboscada no Parque Nacional de Sapo, a maior área florestal protegida do país, que ocupa 1,6% da área total do país. Segundo reportagem do jornal The Guardian, os assassinatos ocorreram em retaliação à prisão de 20 pessoas acusadas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta