Salada Verde

Um crowdfunding para conservar o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta

Instituto Mamirauá lança campanha de financiamento coletivo para bancar pesquisas sobre a espécie, que vive no Amazonas e corre risco de extinção

Daniele Bragança ·
15 de abril de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O macaco possui a menor distribuição das Américas e está vulnerável à extinção. Foto: Marcelo Ismar Santana.

Há 12 anos, o Instituto Mamirauá vem desenvolvendo ações de conservação do macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii), espécie que está vulnerável à extinção e que ocupa a menor área entre todos os primatas neotropicais conhecidos. Na sexta-feira (13), o instituto abriu uma campanha online de financiamento coletivo para bancar ações de conservação da espécie, que vive na parte sul e em ilhas no entorno da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, no Amazonas.

As doações podem ser feitas na plataforma Kickante. A meta é arrecadar  R$ 100 mil na campanha de crowdfunding. Para cada valor doado, o projeto vai oferecer uma recompensa, como camisetas, bonecos em miniatura de macacos amazônicas e publicações. Quem doar R$ 5 mil ou mais ganhará ainda um voucher para hospedagem na pousada Uacari, que fica dentro da Reserva Mamirauá.

Campanha bancará pesquisa

A primatóloga Fernanda Paim desenvolve pesquisas sobre o macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta: Foto: João Alkmin.

As doações bancarão um projeto de coleta e armazenamento de sêmen e óvulos do Saimiri vanzolinii, para um futuro programa de reprodução assistida, caso seja necessário garantir a sobrevivência da espécie no futuro. Atualmente, sua população é estimada em apenas 150 mil indivíduos.

Outra uso do dinheiro arrecadado será no pagamento de projeto para acompanhar as populações na floresta e entender melhor os hábitos, os modos de vida e a reprodução da espécie, que vive restrita à uma região úmida.

A educação científica e ambiental também está entre as ações planejadas pelo Instituto Mamirauá. Outra ação que será financiada pela iniciativa é a impressão de um número especial da revista O Macaqueiro KIDS, voltada ao público infanto-juvenil. A edição será recheada de textos informativos sobre o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta.

O período de arrecadação vai de 13 de abril a 14 de junho. Para doar, acesse o link: www.mamiraua.org.br/ajude.

 

 

Leia Também

Barreiras ambientais separam micos-de-cheiro em Mamirauá

Macacos de Mamirauá: primeira razão de ser da reserva

Uma APA urbana para proteger o sauim

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
28 de março de 2018

Uma APA urbana para proteger o sauim

Unidade de Conservação serviria para preservar e recuperar fragmentos florestais dentro da área urbana de Manaus, onde vive o sauim-de-coleira

Reportagens
14 de maio de 2015

Macacos de Mamirauá: primeira razão de ser da reserva

Estudos de José Marcio Ayres sobre o uacari-branco levaram a criação da reserva. Mais tarde, descobriu-se o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta.

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta