Colunas

Dilma: a bruxa do clima. Ou: Donde fica as Mardiva?

À luz do dia, a Musa Plastificada dos Empreiteiros mandou enterrar o sonho de Minc de que o Brasil se apresentasse em Copenhague como um país moderno e responsável.

30 de outubro de 2009 · 13 anos atrás
  • José Truda Palazzo, Jr.

    José Truda é jardineiro, escritor, consultor em meio ambiente especializado em conservação marinha e tratados internacionais, e indignado.

O presidente Lullão Metralha, estou certo, não sabe onde ficam as Maldivas. Nem precisa, já que com a entronização definitiva do estilo anarfa-fashion como modelo de liderança e (des)governo, as leituras básicas como Geografia devem estar sendo abolidas nos corredores brasilienses.

Já a candidata-em-campanha Dilma Roussef, essa provavelmente sabe. Assim como sabe as conseqüências das políticas de destruição ambiental que vem implantando em Pindorama à sombra do “pudê” presidencial, a Musa dos Empreiteiros lê jornal, e deve ter visto quando o Presidente (esse sim com P maiúsculo) das Maldivas, Mohammed Nasheed, realizou uma reunião ministerial subaquática para chamar a atenção do mundo para a ameaça que as mudanças climáticas representam para os pequenos países insulares como o dele.

Se viu, Dilma não falou, e tampouco ligou. Como o resto do governo brasileiro à exceção aparente do Minc-nistro de Meio Ambiente, ela está se lixando para o que vai acontecer às Maldivas, a Palau, a Kiribati, a Vanuatu, a Dominica e a tantos outros países pequenos em desenvolvimento, e a seu tempo aos brasileiros também, quando a subida dos oceanos e as alterações climáticas causadas pelo excesso de carbono na atmosfera, fruto da histeria “desenvolvimentista” e do genocídio da floresta amazônica, causarem o desaparecimento de ilhas, cidades costeiras, colheitas, oportunidades. O que importa é o pseudo-crescimento imediato, aquele dos números inchados de PIB e outros “indicadores” de “pogreço”. Não é outro o motivo de Dilma ter determinado, abençoada pelo seu presidente-marionete, a vergonhosa falta de empenho do Brasil em dar o exemplo para a vindoura reunião de Copenhague para o estabelecimento de medidas visando mitigar (impedir já é impossível) as mudanças climáticas provocadas pela ideologia econômica insana que ela e os seus professam.

À luz do dia e sem maiores protestos da sociedade civil calada pela esmola, pela apatia e pelo compadrio político, a Musa Plastificada dos Empreiteiros mandou enterrar o sonho de Minc de que o Brasil se apresentasse em Copenhague como um país moderno e responsável. Sua Candidatescência ditou que as metas de emissão de carbono do Brasil sejam pioradas para assegurar um ou dois pontos percentuais a mais nos seus índices de falso desenvolvimento. Caberá a nosso Ministério de Relações Exteriores o triste papel de seguir defendendo posições retrógradas no que tange à gravíssima crise climática, coisa que aliás já vinha fazendo em outras oportunidades em que teve de representar esse mesmo (des)governo . Infelizmente, ainda no Século XXI há diplomatas em Pindorama que vêem fantasmas protecionistas em tudo que seja proposto no plano internacional para a proteção ambiental, e seguimos passando vergonha no mundo real, enquanto nos salões de convescotes se finge que Lulla “é o cara”.

A posição do (des)governo Lulla Roussef para o clima baseia-se no seguinte: – promover o aumento das emissões no Brasil pelo apoio oficial ao desmatamento , ajudando a acabar com o Código Florestal , facilitando a titulação de terras dos grileiros na Amazônia , ampliando por incentivos a emissão automotiva individual e deixando de incentivar energias alternativas como eólica e solar em favor daquelas que enriquecem empreiteiros como hidro e termelétricas, há anos brandindo para tanto a mentira alarmista do “apagão” ;

– Combater ativamente qualquer acordo que inclua metas de redução obrigatória para o Brasil e outros grandes poluidores (sim, porque o papinho de país pobre e coitadinho não se coaduna mais com o ufanismo grandiloqüente do Einsten de Garanhuns, não é mesmo??), condenando a indústria nacional ao atraso e à falta de empenho para a redução de seu desperdício e contaminação nos processos produtivos; e
– Buscar aliados entre os países mais retrógrados no tema para esconder-se atrás de uma posição “de grupo”.

Infelizmente para o lullismo climático, mesmo países em desenvolvimento que são grandes emissores estão se dando conta não só do pepino que é o aquecimento global, mas também das oportunidades econômicas imediatas que a transição para uma economia de baixa emissão de carbono. Índia e China, dois dos piores poluidores do planeta, acabam de anunciar um pacto comum para a redução de emissões e desenvolvimento tecnológico . Ainda que o discurso político se assemelhe superficialmente ao brasileiro, esses dois países passam da inação chorona à iniciativa, com foco evidente em beneficiar-se dos negócios que advirão dessa nova economia energética baseada em fontes alternativas.

A boçalidade climática do atual (des)governo põe por terra a pseudo-solidariedade da diplomacia brasileira com países em desenvolvimento, que se finge ser o esteio de nossa atuação internacional. O que dita Marco Aurélio “Top Top” Garcia, o grande ‘aceçor internassionáu’, é dar dinheiro a rodo aos bananeiros “esquerdistas” de nosso entorno, e quando muito ajudar empreiteiros nativos a ir destruir a Natureza além-fronteira, como na Guiana . Aos muitos países pequenos que serão devastados pela mudança climática nos próximos dez a vinte anos, não reservam nosso Einstein de Garanhuns e seus acólitos nem piedade, nem ajuda.

Copenhague, graças a (des)governantes como os nossos, deverá ser uma decepção para quem entende a gravidade da crise planetária. Mas assim como a truculência de Bush foi varrida do mapa em uma transição difícil, mas boa para o planeta, segue ocorrendo lá nas bandas do Império, quem sabe aqui também haja tempo para que a alternância eleitoral, varra para o lixo da História quem não sabe onde ficam as Maldivas, e também quem sabe e não se importa.

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta