Colunas

A Bíblia do Caos (aplicada ao meio ambiente)

Junto com Millôr, o Brasil perde muito da sua graça. Mas sua ironia e sarcasmo inspiram a fazer uma releitura dos chavões ambientais.

2 de abril de 2012 · 10 anos atrás
  • Reuber Brandão

    Professor de Manejo de Fauna e de Áreas Silvestres na Universidade de Brasília. Membro da Rede de Especialistas em Conservaçã...

“Millôr Definitivo – A Bíblia do Caos” é um livro publicado pela editora L&PM Pocket em 1994, que pode ser encontrado em qualquer banca de revista mais literata, a um preço justo. Na Bíblia do Caos, são apresentados mais de cinco mil “verbetes” livremente explicados pelo autor. E é claro que ironia, sarcasmo e bom humor caem às pencas de cada página.

A excelência do humor de Millôr Fernandes, não apenas na Bíblia do Caos, mas em diversos contos, me fez rir na maior parte das vezes, mas também me fez refletir e a entender que a alegria, a ironia, a excentricidade, o sarcasmo e, por que não, o non sense, também são importantes armas para fortalecer a crítica e o bom senso.

A “vaguidão específica”, por exemplo, muito me ajudou em minha relação conjugal e no entendimento dos discursos políticos. E as “Compozissõis imfãtis” a não perder a cabeça com a ortografia e concordância das provas que corrijo. Já o título Bíblia do Caos não poderia ter melhor para resumir o momento ambiental vivido no Brasil.

Millôr Fernandes não era apenas escritor, humorista, jornalista, ensaísta, poeta e dramaturgo. Era simplesmente Millôr Fernandes. Inspirado por sua prosa fácil e divertida, tenho o desplante (palavra rebuscada para dizer “cara de pau”) de apresentar algumas das minhas explicações para diversos conceitos relacionados à conservação. Não peço que gostem, mas vamos lá…

Amazônia: Ame ou deixe. Mesmo sendo uma zona, há quem Ame a Zona… Mesmo sendo a Zona Franca ou uma Franca Zona.

Caatinga: bioma nacional onde alguma coisa não cheira bem…

Cerrado: bioma considerado um dos hotspots mundiais de conservação, possui seu nome derivado da palavra portuguesa “cerrado”, que significa fechado ou denso. Com o novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa, passará a ser escrita como “Serrado”, um termo muito mais atual e adequado à realidade do bioma.

Código Florestal: Instrumento legal formalizado para dizer que o crime compensa. Não é o primeiro da história brasileira, mas é o mais recente.

Desenvolvimento Sustentável (1): Segundo Câmara Cascudo, o desenvolvimento sustentável é mais uma das fantásticas criações do imaginário nacional. Possui claramente influência dos mitos de colonizadores anglo-saxões, mas foi se ajustando ao longo do tempo às condições sociais e ambientais do Brasil. Termos correlatos: “saci-pererê” e “mula-sem-cabeça”.

Desenvolvimento Sustentável (2): Método de exploração dos recursos naturais focado na manutenção da baixa qualidade de vida da população enquanto promove o empobrecimento da biodiversidade. Também conhecido como subdesenvolvimento sustentável.

Desenvolvimento sustentado (3): Modalidade de paternalismo sócio-ambiental baseada na distribuição de bolsas (verdes, vejam bem) às comunidades que, de alguma forma inexplicável, não conseguem qualidade de vida extraindo coquinhos, sementes e seiva da floresta.

INStinção: Termo cunhado por alguns estudantes universitários em provas; creio ser o instinto que algumas espécies possuem em desaparecer sem deixar rastros…

Mata Atlântica: Campo de treinamento das primeiras empreitadas madeireiras do Brasil. Também é um Hotspot. Talvez resultado das cinzas ainda quentes do que era floresta há algumas décadas…

Meio Ambiente: Típico caso do Cerrado, onde resta apenas metade da cobertura vegetal original.

PAC: abreviação carinhosa usada pelos empreiteiros para o programa imPACto: Informamos Municiados Politicamente que Agora a Coisa é Transformar em Obra. Também chamado de PACzinho, o apreço dos empreiteiros ao programa têm alavancado a carreira de diversos políticos de carreira ilibada. O maior benefício do programa é levar o desenvolvimento sustentável onde só havia “mato”, “bichos” e “índios”.

Pampa: Antigo modelo de pickup leve da montadora Ford com motor pouco confiável (tive uma azul-calcinha, carinhosamente chamada de “Catifunda”). Também é um bioma no Sul do Brasil onde existe gado e monoculturas de árvores exóticas por todos os lados…

População tradicional: Termo usado para designar agricultores gaúchos no arco do desmatamento. Extremamente tradicionais, continuam a chamar os fazendeiros de estancieiros, as mulheres de prendas, a usar bombachas, comer churrasco e tomar chimarrão todos os dias. É a população mais tradicional que conheço.

Reserva Extrativista: Modelo arcaico de reforma agrária, responsável por manter as populações locais presas a um modelo de produção primitivo, associada à ausência de título das propriedades por parte dos moradores. Para ficar mais engraçado, tem gente que chama isso de Unidade de Conservação e alguns outros ainda dizem que é socialmente justo. Ver “Desenvolvimento sustentado”.

Rio mais 20: Com o arremedo de código florestal em tramitação no Congresso, bem às portas de um dos mais relevantes encontros internacionais sobre meio ambiente a ser realizado em solo tupiniquim, eu rio… Com mais 20 e com quem mais quiser rir também…

Vermifugação: Método cruel e desumano voltado para promover a morte de pobres vermes parasitas com direito à vida como todos nós.

Sócio-Ambientalismo: Religião dogmática, estabelece que o Sócio vem sempre antes do Ambiental.

Zona Costeira: Ver comentários sobre Amazônia. Termos correlatos: “Petrobrás”, “Chevron”; “derramamento” e “pré-sal”.

 

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta