Notícias

Etanol celulósico em grande escala

Empresa dinamarquesa cria enzimas capazes de produzir etanol a partir de resíduos agrícolas a um custo muito baixo, o que viabiliza produção em grande escala. Produto chega ao Brasil em março.

Redação ((o))eco ·
26 de fevereiro de 2010 · 12 anos atrás

Chega mês que vem no Brasil uma nova tecnologia de produção de etanol a partir de resíduos agrícolas, como o bagaço da cana, que promete tornar viável a produção do combustível em escala industrial por este meio deste processo. São duas enzimas criadas após dez anos de estudo e que são capazes de liberar os açúcares contidos nos resíduos que geralmente são inaproveitados. Segundo a empresa criadora da tecnologia, a dinamarquesa Novozymes, as primeiras usinas pré-comerciais devem surgir no Brasil em no máximo dois anos.

As enzimas foram apresentadas na semana passada nos Estados Unidos e devem começar em breve a produzir etanol a partir da palha e do sabugo do milho. A expectativa é que as primeiras plantas americanas de etanol celulósico possam, a partir de 2011, chegar a um preço de custo abaixo de 50 centavos de dólares, valor similar ao etanol de primeira geração e que poderia tornar viável a venda comercial do produto.

Atalho:
Novozymes

Leia também

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Reportagens
21 de outubro de 2021

COP26 – Brasil tentou minimizar impacto das emissões da pecuária em relatório do IPCC

País também defendeu que aumento do desmatamento não é resultado da política atual brasileira. Outros países fizeram lobby para mudar relatório climático.

Reportagens
21 de outubro de 2021

Estudo aponta diretrizes para barrar a degradação acelerada de campos e savanas

As chamadas grasslands estão ameaçadas em todo o planeta, alerta um grupo internacional de pesquisadores. Solução envolve restauração e busca de alternativas de exploração econômica sustentáveis

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta