Notícias

Ministra anuncia Cláudio Maretti na presidência do ICMBio

Izabella Teixeira falou sobre escolha do geólogo para dirigir o órgão que administra áreas protegidas federais durante cerimônia em Brasília.

Redação ((o))eco ·
27 de abril de 2015 · 7 anos atrás

Novo presidente do ICMBio, Cláudio Maretti trabalha no WWF desde 2003. Foto:
Novo presidente do ICMBio, Cláudio Maretti trabalha no WWF desde 2003. Foto:

No fim da manhã desta segunda-feira (27), a ministra Izabella Teixeira anunciou a troca de comando no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O geólogo Cláudio Maretti vai substituir Roberto Ricardo Vizentin na presidência do órgão que cuida da gestão das áreas protegidas federais.   

Maretti hoje é líder da Iniciativa Amazônia Viva (LAI, na sigla em inglês), da ONG WWF (World Wildlife Fund).

O anúncio ocorreu durante a cerimônia de posse de Ana Cristina Barros no comando da Secretaria da Biodiversidade e Florestas (SBF) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), e pegou quase todos os presentes de surpresa. Entretanto, Vizentin sabia há pelo menos 3 semanas que deixaria a presidência do ICMBio.

Em conversa por telefone com ((o))eco, Vizentin confirmou a mudança e disse estar satisfeito com a escolha da ministra. Sobre seu mandato, afirmou que “o balanço é muito positivo, acho que conseguimos coletivamente, com a direção do instituto, dar uma contribuição importante”. Ele pretende agora voltar para o doutorado em Agroecologia na Universidade de Córdoba, na Espanha, que trancou para assumir a presidência do ICMBio, em março de 2012.

Ambientalista veterano

Cláudio Maretti está no WWF há 12 anos. Nos últimos quatro foi líder da Iniciativa Amazônia Viva (Living Amazon Initiative – LAI) da Rede WWF.  

Formado em geologia pela Universidade de São Paulo (USP), ele fez mestrado em geotecnia e doutorado em geografia humana, com tese sobre gestão territorial comunitária no oeste africano.

Maretti participou ativamente da implementação do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), considerado o maior esforço de conservação local da biodiversidade no mundo, que é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente e financiado com recursos do Global Environment Facility (GEF), do Banco de Desenvolvimento da Alemanha (KfW), da Rede WWF e do Fundo Amazônia.

Cláudio também é membro do Conselho Mundial da União Internacional de Conservação da Natureza (UICN). Em novembro de 2014, no Congresso Mundial de Parques, Maretti recebeu o Fred Packard Award em reconhecimento ao seu trabalho na conservação de áreas protegidas.

Além do anúncio da mudança no ICMBio, a ministra Izabella Teixeira também confirmou Carlos Guedes de Guedes para assumir a Secretaria do Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEDRS) do Ministério do Meio Ambiente. Guedes foi presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e ex-servidor de carreira do órgão. Além disso, foi secretário Extraordinário de Regularização Fundiária na Amazônia Legal Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e coordenador do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural.

 

 

Leia Também
Claudio Maretti:”A Amazônia tem um valor impossível de calcular”    
“O passivo fundiário é só a ponta do iceberg”, afirma Vizentin    
Roberto Vizentin: prioridade será a regularização fundiária

 

 

 

Leia também

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Notícias
19 de janeiro de 2022

Com pedido de Wassef, Justiça libera madeira apreendida em operação histórica

O advogado da família Bolsonaro conseguiu a liberação de madeira e bens da empresa MDP Transportes, uma das afetadas pela operação da PF que resultou na maior apreensão de madeira já feita

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta