Notícias

Carlos Nobre é segundo brasileiro a ser eleito para Royal Society depois de Dom Pedro II

Cientista ingressa como Membro Estrangeiro por seu trabalho ligado aos estudos climáticos na Amazônia. Ele fará parte de rol que conta com nomes como Albert Einstein e Isaac Newton

Cristiane Prizibisczki ·
13 de maio de 2022

O climatologista brasileiro Carlos Nobre foi eleito, esta semana, membro da Royal Society britânica, a mais antiga entidade dedicada à ciência ainda em funcionamento. Nobre é pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, diretor científico do Instituto de Estudos Climáticos da Universidade Federal do Espírito Santo e diretor do Projeto Amazônia 4.0/Amazon Third Way Initiative.

Nobre ingressa a Royal Society como Membro Estrangeiro. Ele é o segundo brasileiro na academia. Além dele, o único a figurar na lista de membros, nos mais de 360 anos da entidade, foi o imperador Dom Pedro II, eleito em 1871 não como cientista, mas como membro da realeza.

Nobre é engenheiro eletrônico formado pelo Instituto de Aeronáutica (ITA) e doutor em meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT). Desde que ingressou como pesquisador no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em 1983, ele está à frente dos estudos sobre a floresta tropical brasileira.

O cientista é responsável pela hipótese da “savanização” da Amazônia, processo sem retorno de transformação da cobertura vegetal da floresta em uma área que se assemelha às savanas africanas ou ao cerrado brasileiro, como consequência das mudanças climáticas e desmatamento. Com o tema, ele ficou conhecido mundialmente e chegou a receber, em 2021, o prêmio da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) de Diplomacia Científica.

Para ele, sua escolha para a Royal Society é uma indicação de que a entidade se volta para os problemas na Amazônia e reconhece a importância da ciência na recondução do Brasil para a rota da sustentabilidade.

“Não que estejamos vencendo esta guerra; está muito difícil. Mas é papel da ciência expor todos os riscos que corremos com o desaparecimento das florestas, dos biomas brasileiros, com o aumento dos extremos climáticos e das queimadas. Tudo isso temos alertado, por décadas”, disse o cientista ao Jornal da USP, veículo que primeiro divulgou a notícia da escolha do nome de Nobre para a academia britânica.

No total, 62 cientistas foram eleitos como membros da Royal Society este ano, sendo que Carlos Nobre é um dos 10 Membros Estrangeiros escolhidos. 

Com a nomeação, ele se juntará a nomes como os de Stephen Hawking, Isaac Newton, Charles Darwin, Albert Einstein e Dorothy Hodgking, que também foram membros da Royal Society.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Análises
15 de março de 2018

A transformação da Amazônia em savana pode estar mais perto do que imaginado

Atingindo o ponto de ruptura de 25% de área desmatada, as partes leste, sul e central da Amazônia poderiam passar de florestas a ecossistemas não florestais.O desmatamento atual é de 17%

Notícias
12 de novembro de 2021

Amazônia está cada vez mais perto do colapso, diz documento lançado na COP 26

Relatório elaborado por mais de 200 cientistas propõe que governo brasileiro decrete moratória do desmatamento na Amazônia, a fim de evitar ponto de não retorno do bioma

Reportagens
22 de julho de 2021

Soluções baseadas na natureza são essenciais para combater mudanças climáticas e a perda de biodiversidade

Pesquisadores analisam estratégias de conservação de ecossistemas e recuperação de áreas degradadas na segunda edição da série Conferências FAPESP 60 anos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta