Reportagens

Catando pra não derrubar

Índios triplicam produção de castanha-do-brasil no noroeste do Mato Grosso. Projeto extrativista os ajuda a resistir à pressão de madeireiros e fazendeiros.

Juliana Arini ·
15 de dezembro de 2005 · 16 anos atrás

“É impossível desenvolver o estado apenas catando coquinho na mata”, afirmou certa vez Blairo Maggi, governador do Mato Grosso. Vinda de quem vem, a frase não surpreende. Mas na contramão do agronegócio devastador, do qual Maggi é o principal líder empresarial e político, aldeias indígenas vêm se dedicando ao manejo da floresta em pé. Se isto vai desenvolver o estado ou não, é cedo para saber. Mas o que os índios têm feito para conseguir uma renda sem botar abaixo a Amazônia é justamente catar coquinho. Ou melhor, castanhas.

Nos últimos três anos, triplicou a produção de castanha-do-brasil — também chamada de castanha-do-pará — na região noroeste de Mato Grosso. O crescimento se deve ao Projeto Integrado da Castanha (PIC), iniciado em 2001, que ensina e estimula o manejo florestal entre comunidades indígenas. Numa área de cerca de 1 milhão de hectares de floresta, 48 aldeias das etnias Rikbaktsa e Zoró produzem em torno de 160 toneladas de castanha. É ainda uma gota perto da produção nacional de 34 mil toneladas, mas já representa 50% do que o estado produz.

O projeto é financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF, na sigla em inglês) e conta com apoio técnico da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Nasceu de uma parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o governo do estado, para o uso sustentável da biodiversidade na região. O noroeste de Mato Grosso sofre grande pressão da indústria madeireira e das fronteiras agrícolas.

Segundo dados da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária (Famev), o PIC explora menos de 10% da capacidade de produção dessas áreas nas quais reina a castanheira (Bertholletia excelsa). Especialistas garantem que a extração das castanhas não coloca em risco a reprodução da espécie, pois o método inclui a seleção de sementes e a produção de novas mudas da espécie. Além disso, a castanheira é naturalmente dispersa — o que obriga a extração seletiva — e só sobrevive cercada de outras espécies florestais.

“Ao contrário dos estados do Acre, Pará e Amazonas, onde esse tipo de iniciativa já vem sendo realizado há algum tempo, em Mato Grosso não existia política pública para a Amazônia que valorizasse a floresta de pé. E o pior: o atual modelo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), propagado pelo Estado, visa principalmente à implantação de pastos e gado, o que contribui para o desmatamento. Com esse tipo de iniciativa, o que se pretende, além de fixar o homem na terra, evitar migrações e mais desmatamento, é também valorizar os recursos naturais da região que são praticamente desperdiçados no atual modelo de exploração, como o óleo de copaíba, o látex e a castanha-do-brasil”, explica o ecólogo Plácido Costa, um dos monitores do projeto em Mato Grosso e responsável pelo componente de Áreas Protegidas do PNUD.

Floresta indígena

De fato, numa região em que mais de 27% do território pertence aos índios, convém acompanhar de perto o uso que eles estão fazendo do solo e o destino que planejam para a floresta. Afinal, grande parte do que resta de mata amazônica no noroeste mato-grossense está justamente nas terras indígenas.

“A pressão no entorno das terras indígenas é muito forte, pois estamos cercados de plantações de grãos, gado, garimpeiros e madeireiros, o que faz com que falte caça e diminuam os peixes em nossos rios. Essa falta de alimento levava muitos índios a trabalharem nas fazendas em volta para poderem comprar comida e remédios. Agora, principalmente durante o período da safra da castanha, entre novembro e abril, os índios têm deixado de trabalhar nas fazendas. Isso que fortalece nossa cultura e ajuda a diminuir o alcoolismo e até mesmo as doenças”, diz Paulo Skiripi, um dos coordenadores da Associação Indígena Rikbaktsa (Asirik).

O apoio técnico para a comercialização era a chave que faltava para tornar a extração economicamente viável. Antes do projeto, a castanha era vendida a cerca de 40 centavos o quilo. Hoje, vale quatro vezes mais: R$ 1,60. Rende às aldeias 256 mil reais por safra. Os responsáveis pelo projeto falam em um horizonte de mercado com capacidade de compra de 800 toneladas por safra, somente para atender a demanda regional. Nos supermercados, a amêndoa da castanha-do-brasil chega a ser comercializado por 45 reais o quilo.

Paulo Skiripi agora espera fechar parcerias com empresas de cosméticos que utilizam matérias-primas típicas da Amazônia. “Participamos do Mercado Floresta [evento realizado em novembro em São Paulo] e entre os muitos contatos que fizemos um dos mais interessantes foi com representantes da Natura. A empresa se mostrou disposta em nos ajudar com a certificação do produto como sustentável e não proveniente de atividade que destrua a Amazônia”.

A implantação bem-sucedida junto aos índios levou o PIC a ser ampliado para a Reserva Extrativista Guariba Roosevelt e assentamentos do Incra, como o Vale do Amanhecer. Envolve hoje cerca de 1.700 famílias. Além das castanhas, promove o manejo na extração do látex em seringais nativos, a produção de sementes silvestres para reflorestamento e a extração do óleo de copaíba. “É importante começarmos a trabalhar com outros produtos. Não estamos propondo que a saída para o Mato Grosso é a extração da castanha-do-brasil, mas sim a promoção de atividades econômicas que não devastem a floresta e que auxiliem na criação de um mosaico de terras protegidas. As comunidades que participam desse tipo de iniciativa têm total interesse de que não se destrua a Amazônia. No caso dos índios, a exploração da castanha, além de assegurar a própria segurança alimentar, também auxilia na gestão do território, pois durante as coletas (nas quais eles podem percorrer áreas de até 10 quilômetros) também acontece a fiscalização de suas terras contra a fixação de posseiros, madeireiras e garimpos ilegais”, conclui Plácido Costa.

O mosaico a que ele se refere diz respeito à implantação de atividades sustentáveis em unidades de conservação e terras indígenas nos municípios de Juína, Castanheira, Juruena, Cotriguaçu, Colniza, Aripuanã e Rondolândia.

* Juliana Arini é jornalista em Mato Grosso e integra o Núcleo de Ecojornalistas do Mato – NEM.

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta