Reportagens

Paulicéia emporcalhada

Na maior cidade do Brasil, falta de educação da população e descaso da prefeitura com lixeiras públicas provocam um desastre ambiental que poucos parecem notar.

Karina Miotto ·
28 de abril de 2006 · 16 anos atrás

Imagine que você é uma pessoa ambientalmente correta, que detesta sujeira na rua, está passeando por São Paulo e de repente, sente uma fome danada. Para matá-la, entra numa padaria, compra um suco e um pão de queijo, bebe, come e sai à cata da lata de lixo mais próxima para se livrar do copo de plástico e guardanapos. Muito boa sorte. E se você achar uma, por favor, não deixe de dizer onde ela está para os habitantes da cidade. A esmagadora maioria deles há muito não vê uma lixeira na rua.

A petista Marta Suplicy, quando ocupou a prefeitura da capital paulista, jurou que resolveria o problema. Fechou contrato com a empresa Ecopav para instalação e manutenção de 140 mil cestos de lixo na cidade entre 2002 e 2005. No entanto, até 2003 apenas 8 mil tinham sido instalados. Problemas financeiros da companhia levaram à rescisão do contrato e, desde então, as lixeiras voltaram a sumir das ruas da cidade. Das que foram instaladas pela Ecopav, 6 mil acabaram destruídas por vandalismo da população.

E como antes deste contrato a prefeitura não contabilizava lixeiras porque elas praticamente não existiam, dá para dizer que as mais de 10 milhões de pessoas que moram na cidade têm à sua disposição no máximo 2 mil cestos de pequeno porte. O resultado disso é que lixo em mão de paulistano acaba, em geral, sendo jogado nas ruas. O que gera conseqüências que vão do desagradável ao grave, como poluição visual, mau cheiro, entupimento de esgoto e bueiros, que resultam na proliferação de ratos, insetos e doenças.

Quem mais sofre com a falta de lixeiras, depois dos seres humanos, são as árvores. “As pessoas acabam jogando lixo em qualquer buraco e muitas vezes esse buraco é o canteiro de uma árvore. Vejo muito saco plástico nas bases, o que impede a passagem da água, além de filtro de cigarro adoidado, garrafas pet, de vidro e latinhas. Tudo isso diminui sua capacidade de desenvolvimento e prejudica a qualidade do solo. Não é à toa que as árvores de São Paulo estão muito doentes”, afirma Alexandre Chut, acupunturista e fundador da ONG Projeto Plant-AR, que incentiva o cuidado e a plantação de árvores. 

Problema caro

A situação também faz sangrar os cofres públicos. Com tanto lixo sendo jogado na rua, não há outra alternativa a não ser varrer a cidade. O Limpurb, departamento de limpeza urbana da prefeitura, gasta R$ 30 milhões por mês para fazer o serviço, que rende 2 mil e 500 toneladas por mês. “O prefeito José Serra chegou a afirmar que ‘o que existe de corrupção na varrição não está escrito’. No entanto, ele não desfez contratos anteriores, com valores acima de mercado. O contrato de varrição de emergência, por exemplo. Esse mesmo serviço poderia ser feito por mais empresas por um preço menor e com tanta qualidade quanto. Falta gestão, administração e vontade política para resolver o problema”, afirma o administrador Enio Noronha Raffin, consultor em limpeza urbana e autor do livro e do site Máfia do Lixo.

O poder público tem uma imensa parcela de culpa por esse estado de coisas. Mas a população da cidade também está longe de ser inocente. Não se tem conhecimento de que alguma vez ela tenha reivindicado lixeiras públicas. Pelo contrário. O que se tem certeza é que ela joga sujeira nas ruas com tal fervor que parece ter o secreto desejo de que São Paulo tivesse sido construída sobre um aterro sanitário.

“Cidadãos que acabam com quase todas as lixeiras instaladas estão praticamente dizendo ‘eu quero mesmo é que esta cidade fique imunda!’. Devemos, sim, cobrar o poder público, mas também precisamos educar os muitos “sujismundos” que têm por aí”, afirma Cândido Malta Campos Filho, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Raros são os paulistanos que, à falta de lixeiras, levam seu lixinho no bolso para dispensá-lo em casa ou no escritório. “As pessoas preferem imitar o Lula, flagrado jogando papel de bombom no chão atrás da cadeira da pessoa que estava do seu lado”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.

“Estudos nos Estados Unidos mostram que o que está estragando ou estragado, quebrando ou quebrado, atrai ainda mais desmazelo”, afirma Anna Verônica Mautner, psicóloga e membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Ela diz que as pessoas jogam lixo nas ruas porque vêem sujeira em vias públicas, problema que é agravado pela falta de lixeiras. “Experimente jogar lixo no chão da Suíça. Vai ficar feio, porque o único papel da rua será o seu. Todo sacro santo dia que o sol nascer, a limpeza deve ser mantida, senão não adianta. Um hábito não se forma pela lei, mas pela eterna vigilância. O preço da limpeza é a eterna limpeza”, diz.

É nesse mote que o japonês Hideaki Ijima aposta para virar uma exceçãoo à regra no comportamento do habitante da capital. Ele é proprietário da rede de cabeleleiros Soho e presidente da ONG Zeladoria do Planeta, inspirada em similar do Japão. Todos os anos, voluntários da Zeladoria recolhem lixo em vários pontos de São Paulo, entre eles o Parque da Aclimação e a Paulista. Cada varrição na avenida cartão-postal da cidade junta 7 toneladas de lixo, das quais boa parte é separada para reciclagem. Ijima não pára por aí. Todos os dias pela manhã recolhe 2 sacos de lixo de 100 litros na rua onde mora. 

Ele não é o único. O professor Campos Filho é outro exemplo de que com consciência e boa vontade, é possível criar um ambiente mais limpo e saudável. “Sou daqueles que cata lixo. Recolhi muito na praia do Lázaro, em Ubatuba. No início, me olhavam com estranheza. Afinal, não é normal ver um cara com certo nível social fazendo isso. Mas persisti por anos a fio. E sabe o que aconteceu? As pessoas que sempre me viam pararam de jogar lixo na praia e inclusive começaram a me ajudar”, conta.

A prefeitura promete que vai começar a fazer a sua parte para reduzir o lixo que se espalha pelas ruas de São Paulo. Em 30 dias, diz que começa a instalar 30 mil cestos de lixo na cidade. É pouco, mas é um começo. A população também poderia começar a fazer a sua parte e sair imitando gente como Ijima e o professor Campos Filho.

* Karina Miotto é jornalista em São Paulo, colunista de meio ambiente da revista Ragga, de Belo Horizonte, e autora do blog Eco-repórter-Eco.

Leia também

Notícias
17 de janeiro de 2022

Após por pessoas em risco, justiça proíbe “coach” de fazer atividades na natureza

A decisão judicial determina que Pablo Marçal, que protagonizou episódio de resgate no pico do Marins, não poderá fazer qualquer atividade na natureza sem autorização prévia

Notícias
17 de janeiro de 2022

Livro celebra cem anos da descrição da jararaca-ilhoa com alerta sobre conservação da serpente endêmica

Escrita em linguagem acessível para o público em geral, a publicação celebra os cem anos da descrição da jararaca-ilhoa, feita por por Afrânio do Amaral (1894-1982), à época diretor do Instituto Butantan

Notícias
17 de janeiro de 2022

Rondônia proíbe destruição de equipamentos durante fiscalização ambiental

Governador sanciona, com veto parcial, lei que proíbe que fiscais do estado inutilizem maquinário apreendido em ações de fiscalização ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta