Reportagens

De olhos nas matas tropicais

Para fortalecer as estratégias de REDD, INPE e FAO assinam acordo que envolve o Brasil em treinamento de diversos países da Bacia do Congo no monitoramento de florestas nativas.

Gustavo Faleiros ·
11 de dezembro de 2009 · 12 anos atrás

O Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais (INPE) assinou nesta quinta-feira um tratado de cooperação com Organização para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO, em inglês) para estender a metodologia brasileira de monitoramento do desmatamento na Amazônia para a Bacia do Congo. A iniciativa se enquadra em um programa para melhorar a capacidade de países como Gabão, Camarões, República Democrática do Congo, entre outros, de mensurar e reportar suas emissões de gases estufa por desmatamento.

 TWITTER

O acordo foi assinado pelo diretor-geral do INPE, Gilberto Câmara, durante evento na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, que ocorre desde segunda-feira em Copenhague , Dinamarca. Segundo ele, a expectativa é que a partir de março, técnicos do instituto já sejam enviados ao continente africano para trocar experiências. 

O pedido da FAO coincide com o consenso nas negociações do clima de que antes de iniciar qualquer atividade financeira envolvendo as Reduções por Emissão de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD), é preciso preparar os países para monitorar suas florestas. O diretor-geral do INPE, menciona a sigla MRV, que cada vez  torna-se mais conhecida. Ou seja, para engajarem-se em acordos de REDD, as nações detentoras de matas nativas devem empreender um esforço que possa ser Mensurado, Reportado e Verificado

No vídeo abaixo, Câmara dá mais detalhes do projeto.

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.