Reportagens

Sobe desmate na Amazônia

Sistema de Alerta do Imazon detecta aumento de 7% no desmatamento na Amazônia entre agosto de 2009 e maio de 2010, meses do calendário oficial de medição.

Cristiane Prizibisczki ·
27 de junho de 2010 · 12 anos atrás

Nos últimos dez meses do calendário oficial de medição do desmatamento, de agosto de 2009 a maio de 2010, a perda de florestas na Amazônia subiu 7%, em relação ao mesmo período anterior (agosto 2008 a maio 2009), de acordo com o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Imazon. Foram perdidos 1.161 km² de vegetação, contra 1.084 km² do período anterior.

 

Segundo boletim divulgado neste domingo (27), em termos absolutos, o Pará continua na liderança do ranking, com 44% do total desmatado registrado no período. Em seguida aparece Mato Grosso (25%), Rondônia (12%) e Amazonas (11%). Esses quatro estados foram responsáveis por 91% do desmatamento ocorrido na Amazônia Legal no período. Os outros 9% do desmatamento foram distribuídos entre os estados do Acre, Roraima, Amapá e Tocantins.

O aumento na área desmatada também resultou em mais CO2 lançado na atmosfera. Segundo o Imazon, de agosto de 2009 a maio de 2010, foram comprometidos 76 milhões de toneladas de CO2 equivalente, que ficaram sujeitas a emissões diretas ou futuras por eventos de queimadas e decomposição. Isso representa um aumento de 9% em relação ao mesmo período anterior (agosto de 2008 a maio de 2009) quando o carbono florestal afetado pelo desmatamento representou 69 milhões de toneladas de CO2 equivalente.

Quando levado em conta somente os meses de abril e maio de 2010, o desmatamento, no entanto, sofreu queda  expressiva. Em abril, foram perdidos 65 km², o que representou uma queda de 47% em relação a abril de 2009. Em maio o desmatamento atingiu 96 km², uma redução de 39% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Em abril de 2010, o desmatamento ocorreu principalmente em Mato Grosso (59%), seguido do Pará (23%) e Rondônia (10%). O restante ocorreu no Amazonas (6%) e Acre (2%). Em maio de 2010, o desmatamento foi maior no Amazonas (33%) seguido de Mato Grosso (26%), Rondônia (22%), Pará (17%) e Acre com apenas 2%.

Do total desmatado em abril, 5% estavam dentro de unidades de conservação, 7% em Terras Indígenas, 15% em Assentamentos de Reforma Agrária e 73% em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. Em maio, 62% do desmatamento ocorreram em áreas privadas, 24% em Assentamentos de Reforma Agrária e 14% em Unidades de Conservação. O Imazon alerta que os dados do desmatamento para esses dois meses podem estar subestimados, devido à cobertura de nuvens no período, que possibilitou o monitoramento de 45% e 50% da Amazônia em abril e maio respectivamente. (Cristiane Prizibisczki)

Atalho
– Leia o boletim completo do SAD no site do Imazon

 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
15 de agosto de 2022

Bolsonarismo resiste na Amazônia, mas eleitores se dividem no voto a voto

É apenas na região Norte que Jair Bolsonaro lidera na pesquisa espontânea. Na estimulada, quando os eleitores são apresentados aos nomes dos concorrentes, Lula aparece em primeiro lugar, porém ambos empatam tecnicamente

Reportagens
15 de agosto de 2022

Governadores da nova fronteira do desmatamento buscam reeleição

A criação de uma zona do agronegócio na divisa do Acre, Amazonas e Rondônia (ainda) não avançou, mas a devastação da floresta disparou. Mas nada disso parece mudar a vontade do eleitorado da região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta