Salada Verde

UH Santa Isabel, licitada há 10 anos, é devolvida à União

Consórcio formado por Vale, Votorantim e outras empresas, devolveu a concessão, após demora na obtenção da licença ambiental.

Redação ((o))eco ·
14 de agosto de 2013 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Rio Araguaia. Foto: José Eduardo Pachá/Flickr
Rio Araguaia. Foto: José Eduardo Pachá/Flickr

O projeto da Usina Hidrelétrica Santa Isabel, licitado há uma década, foi devolvido à união, após a desistência do consórcio Geração Santa Isabel (GESAI) em tirar a usina do papel. A usina seria erguida no rio Araguaia, entre os estados do Pará e Tocantins.

As empresas queriam que a concessão de 35 anos tivesse seu prazo contado a partir da data da obtenção da licença ambiental, que foi atrasada por conta das falhas no EIA/RIMA. A decisão de devolver à concessão à União foi protocolada na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na sexta-feira (09). A informação veio de matéria publicada no site Congresso em Foco.

O projeto de Santa Isabel é de responsabilidade do Consórcio GESAI (Geração Santa Isabel), constituído pelas empresas Vale, Alcoa Alumínio S.A., BHP Billiton Metais S.A., Camargo Corrêa S.A. e Votorantim Cimentos Ltda. As empresas ganharam a concessão para a construção da usina em novembro de 2001.

A hidrelétrica agora suspensa iria afetar diretamente o Parque Estadual Serra dos Martírios – Andorinhas, a Área de Proteção Ambiental São Geraldo do Araguaia e a Área de Proteção Ambiental Lago de Santa Isabel, além de 131 cavidades naturais na região. Outra perda com a construção da usina seria o alagamento do cenário da guerrilha do Araguaia, ocorrida no ínício da década de 70.

 

 

Leia Também
Uma santa hidrelétrica
Não à Santa Isabel
Tocantins: Novas UCs enfrentam burocracia e família Abreu

 

 

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.


    1. JOCEMIR VIEIRA JUNIOR diz:

      Verdade.
      E um ano e seis meses é muito pouco pra esse tipo de crime!