Salada Verde

Kátia Abreu diz ter acordo com MMA condicionando novas Unidades de Conservação

Líder dos ruralistas fez a afirmação para reportagem da revista Época. Assessoria do Ministério do Meio Ambiente nega que acordo exista.

Redação ((o))eco ·
25 de agosto de 2014 · 8 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A ministra Izabella Teixeira e a senadora Kátia Abreu conversam sobre o texto do Código Florestal sancionado com veto pela presidenta Dilma Rousseff. O encontro aconteceu em outubro 2012. Foto: Antonio Cruz/ABr.
A ministra Izabella Teixeira e a senadora Kátia Abreu conversam sobre o texto do Código Florestal sancionado com veto pela presidenta Dilma Rousseff. O encontro aconteceu em outubro 2012. Foto: Antonio Cruz/ABr.

Em entrevista à edição da Revista Época dessa semana, a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) afirmou que a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) possui um acordo com o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Chico Mendes “para não criar unidades de conservação sem dotação orçamentária”. A informação veio numa resposta em que a senadora explica seu apoio a presidente Dilma mesmo ela estando num partido que tem ligação com grupos contrários aos interesses dos produtores rurais, como o MST.

“O que me faz apoiar a presidente Dilma é a resposta que ela deu à agropecuária”, afirmou a presidente da CNA à revista Época, após enumerar as razões: a falta de criação de Unidade de Conservação, o “fortalecimento dos assentamentos, em detrimento da ampliação desbragada de assentamentos” e a paralisação da expansão de terra indígena, onde “desde abril de 2013 não são publicadas novas portarias de ampliação”.

Procurados pela reportagem de ((o))eco, a assessoria de imprensa do Ministério do Meio Ambiente afirmou que não há acordo formal entre o ministério e a Confederação Nacional de Agricultura (CNA) sobre criação de Unidades de Conservação e que a senadora poderia estar se referindo a política institucional adotada pelo ministério de não criar unidades com passivos fundiários e sem condições de implementação. Essa política institucional fez o governo Dilma quase ganhar de Collor no quesito quem criou menos áreas protegidas. Em 4 anos, foram criadas apenas 3 Unidades de Conservação: Parque Nacional Marinho da Ilha dos Currais, Parque Nacional da Furna Feia e a Reserva Biológica Bom Jesus.

Efeito Marina

A entrevista da revista Época ocupa 3 páginas da última edição da revista e tem como pauta a opinião da líder dos ruralistas acerca da confirmação da candidatura de Marina Silva para a presidência da República. Abreu critica o que chama de radicalismo ambiental da candidata Marina. Reclama que a postura da ex-ministra  sempre prejudicou a imagem dos produtores rurais “nos centros urbanos e também no exterior” e defende Dilma.

 

 

Leia Também
Os presidentes e os Parques Nacionais do Brasil
Programa de Eduardo e Marina não descarta novas hidrelétricas
Bazileu Margarido: “MMA perdeu capacidade de implementar política socioambiental”

 

 

 

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Notícias
17 de maio de 2022

Para beneficiar pecuária, Acre reduz em até 80% imposto sobre comercialização de gado

ICMS a ser pago por pecuaristas acreanos cai de 12% para 2,4% na venda para alguns estados. Medida pode resultar em mais desmatamento, diz pesquisadora

Análises
17 de maio de 2022

Oportunidades e desafios para a implementação do Código Florestal brasileiro

A lentidão na implementação do Código Florestal representa o desperdício de uma valiosa oportunidade de transformar o uso da terra no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta